Arquivo da tag: conto

Rude Despertar

Nick Fontana

Este é o dia, Nick Fontana disse para si mesmo.

Ninguém com mais de 20 anos acharia este comentário divertido. Muito menos alguém com 18 para 19 anos (como Nick) entenderia sua excitação…na verdade, ninguém entenderia.

Este é o dia, ele disse para si mesmo novamente. Este é meu dia. Seu primeiro confronto oficial no Circuito Street Fighter. Não, ele corrigiu a si mesmo mentalmente, minha primeira vitória no circuito. Sim, este será um dia a ser lembrado.

Ele estava preparado. Preparado como nunca havia estado antes. Ele sabia disso. Ele sentia isso. Ele estava rápido e flexível como uma cobra. Ele tinha um par de olhos de predador, para avaliar as fraquezas do oponente e um instinto assassino que poderia intimidar o mais poderoso dos vilões. Ele estava ansioso e preparado para chutar uns traseiros.

Nick saltou para fora do vestiário, onde ele vestia sua roupa. Ele estava pegando fogo por dentro, e começou a exercitar alguns combos no ar – um Fierce de ferro no queixo, Dragon Punch e Power Uppercut. Ele podia ouvir suas mãos cortando o ar, se sentindo o protagonista de um dos muitos filmes de Kung Fu que assistiu durante a infância. Me dê um par de palitos japoneses, ele pensou cerrando os dentes, e nenhum vôo em Mobile é seguro.

Mobile. Mobile, Alabama. A avenida onde marcaram sua luta, o que o enraivecia muito. Sua primeira luta profissional – porque não podia ser em sua cidade natal Seattle? Os outros artistas de sua banda, Os Centauros, poderiam vê-lo chutando uns traseiros e fazendo fama. Inferno, talvez até seus pais pirados poderiam aparecer – coisas estranhas tem acontecido ultimamente. Aqui em Mobile, pensava, ele não conhecia ninguém. Ele estava só. Até mesmo seu sensei, Shimizu, não estava aqui.

Nick levantou sua cabeça pensativo. Ele terá um monte de coisas para contar quando voltar ao dojô de Shimizu em Seattle. O velho sensei não achava que Nick estivesse preparado para o circuito oficial. Ao menos deveria ter treinado mais um ano antes de sua primeira luta profissional, o velho homem disse. Um ano? Um ano idiota? Isto era uma eternidade! Nick sabia que estava preparado e sabia que podia dar o seu melhor aqui, nesta luta.

Treinamento, katas e sparring são ótimos. Porém nada pode superar a experiência adquirida em um combate de verdade. Então, quando o promotor do evento contatou-o diretamente, e não através de Shimizu – que maravilha – ele se ofereci para lutar na Arena Mobile. Por alguns minutos ele discutiu com Shimizu sobre a viagem, mas ele acabou cedendo e até organizou os preparativos.

O organizador, J.J. Weller, o aguardou no aeroporto. Ele era um grande homem, vestido de preto, com um cabelo loiro rebelde e arrepiado e usando correntes de prata. Ele está sempre fazendo gracinhas e rindo de piadas que Nick não consegue entender. Quando Nick pergunta o que há de tão engraçado ele torce o nariz. Em outra ocasião, Nick deixaria-o falando sozinho e ia embora. Mas estava aqui a negócios. Era o que dizia a si mesmo.

Então aqui está ele. No vestiário da Arena de Mobile, Alabama. Ele pode ouvir a platéia, sua platéia: o barulho ensurdecedor de vozes, muitos passos, gritos de excitação e fúria; barulhos que somente poderiam ser feitos por milhares de pessoas.

A porta rapidamente abriu, e J.J. botou sua cabeça para dentro. Seu cabelo estava mais rebelde e desordenado do que de costume (excesso de spray pra cabelo, Nick pensou.) Pronto?

Nasci pronto, Nick disse.

Weller ficou quieto. Você enfrentará O Cajun dentro de alguns minutos. O empresário disse, mas nós podemos muito bem deixar seus fãs verem-no um pouco antes da batalha.

Tá’ certo.

Aqui está outra desvantagem em lutar em Mobile, Nick era obrigado a seguir Weller através do corredor de concreto. Se a luta fosse em Seattle, ele teria tido uma chance de escapar fora de seu oponente. Aqui? Sem chance. “O Cajun”? Que diabos era ele? Que estilo ele luta? Quais truques e combos ele sabe? Com certeza ele não é da divisão Tradicional, deve ser de alguma outra. Shimizu não aprovava outras divisões, e “O Cajun” provavelmente não usa estilos formais. Inferno, aquilo estava chateando Nick. Ele podia estar lutando – e vencendo – muito antes de ele saber coisas como estilos formais. Tudo seu mestre figurava, não há muito fora daqui que podia surprêende-lo.

Weller bateu a mão no ombro de Nick reassegurando e gesticulando para ele seguir em frente. Por um momento, Nick hesitou. Então ele deu de ombros e se meteu no último e escuro corredor com luzes brilhante no fim. Como aqueles sábios dizem sobre morrer e renascer, ele pensou, hoje é o fim de minha velha vida e início de uma nova. Ele emergiu de um tunel…

Seus joelhos se paralisaram. Weller tinha dito a ele que a casa estava cheia – 18.000 pessoas e aumentando. Ele pensou que sabia o que isto significava.

Sem chance de enlouquecer. Ele já tinha visto grandes platéias, mas somente na tv. Na tv você não pode realmente ouvir o povo, não pode cheirá-lo e certamente não pode senti-lo. Ainda mais importante, cada um destes 18.000 estava olhando para ele. Ele sentiu a sensação dos olhos sobre ele, como uma carga elétrica atravessando seu corpo. Quando reconheceramno quando o povo viu que era um dos lutadores da noite – a platéia rugiu, e o som bateu em seu corpo como uma onda do oceano.

Eu tenho que vencer. O pensamento chocou nele com intensidade. Este é meu dia. No impulso, Nick tirou seu boné de baseball (o único com o logo de sua banda) e jogou-o na platéia. Ele riu alto enquanto assistia o povo se matar pelo boné. Aqui é onde eu quero estar.

Nick subiu ao ringue, no calor das luzes, e aguardou. Ele não precisou aguardar muito. Ele ouviu o anunciante gritar Doce casa de Alabama ou algum recado como este. Então sua voz reverberou através da arena. Senhoras e senhores, isto é o que vocês estão esperando. Estão preparados para o maior evento da tarde?

A platéia ama isso, Nick pensou confuso, eu imagino que até o inferno seja um lugar melhor que esse. Nick notou que a maioria dos gritos era do lado do oponente. Esta é Mobile, ele lembrou-se a si mesmo, não estou em casa.

O narrador continuou seu discurso. Senhoras e senhores, esta é uma luta no estilo livre. Sem armas, sem manobras letais e sem mordidas! Ele proferiu as últimas palavras como uma piada, e a platéia rugiu em um riso de aprovação. Nick, tremeu. Eu perdi alguma coisa?

No canto azul, o narrador falou alto, em sua primeira batalha profissional pelo circuito, do playground de Evergreen… Nick Fontaaaana!

Nick foi bombardeado pelos gritos, engrandecendo-o, sentindo sua energia subir para os músculos e como se seus reflexos ficassem ainda melhores. É para isto que eu nasci, ele disse a si mesmo. Tudo que se passou até agora foi apenas treinamento.

E no canto vermelho, o narrador continuou, o favorito local. Vocês já o viram neste ringue antes, e vocês o verão novamente. Seu recorde é de 72 vitórias – 51 por nocautes! – 14 derrotas e nenhum empate.

Espere um pouco! Nick pensou, saindo de seu delírio repentinamente. 72 vitórias, 51 por nocaute? Ele olhou ferozmente para Weller, que estava parado ao lado do ringue. O promotor olhou para ele e deu de ombros.

Sim? Bem, nós veremos.

O narrador ainda não terminou, Ele é um dos maiores lutadores do circuito internacional, da Divisão Livre. Você o conhece, você o ama e aqui está ele: Ragin Cajun!!!

Os gritos anteriores ficaram ensurdecedores, mas agora eles causavam dor a Nick. O som da platéia entusiasmada batia de encontro a Nick como pancadas: Ca-jun! Ca-jun! Ca-jun!.

Do topo da arena, os holofotes deixaram de iluminar Nick e se projetaram na direção oposta, para a entrada de um túnel similar ao que Nick entrou. Algo moveu-se lá dentro e veio para a luz.

Mas que diabos é aquilo?

Ele parecia com uma brincadeira sem graça, um refugiado de um filme barato de terror. Ele tinha a altura de um homem, caminhava altivo balançando seus braçoz e pernas, assim como um humano também. Mas ele não era humano, era algo que Nick não conseguia discernir. ele parecia como…

Ele parecia com um homem-crocodilo, treinado para caminhar sobre as duas pernas, usando sua cauda para balancear o peso do seu tronco. Mas não era um crocodilo como os que Nick já vira nos zoológicos, ele tinha músculos em seus braços e pernas como os halterofilistas profissionais. Além disso nenhum crocodilo usaria um maiô de luta-livre colorido daquela maneira. Não, aquilo não era um crocodilo. Mas também não era um humano. Algum tipo de cruzamento? Algum experimento genético daqueles que você ouve falar na televisão e nos jornais?

Independente do que era, a platéia o amava. Eles gritavam. Eles cantavam. Eles faziam “olas”. E o crocodilo adorava cada minuto de ovação. Ele esticava suas grandes mãos acima da cabeça vitorioso, enquanto circulava pelo ringue. Sua boca estava aberta em algo que lembrava um crocodilo-sorrindo (?) com suas dezenas de dentes à mostra.

Mas que diabos é isto, Nick pensava. Ele atravessou o ringue, permanecendo o mais longe que podia daquela aberração, até onde Weller estava. Mas que diabo de aberração é aquela? ele exigiu saber. Ele nem é humano!

Weller sorriu. Mas desta vez não era uma risadinha irônica. Na verdade, havia algo novo no sorriso que Nick não gostava. Aquilo é seu oponente garoto, o promotor disse. Aquilo é o Cajun.

Nick jogou outro olhar para a coisa-crocodilo cheia de dentes e tomou sua decisão. Você não disse nada sobre isso, ele disse firmemente, cruzando seus braços sobre o peito.

Weller desaprovou. Você não perguntou, ele apontou para Nick de uma forma irritante. Eu lhe ofereci uma luta. Você aceitou-a. Fim da história.

Fim da história coisa nenhuma! Nick respondeu de volta. Você me ofereceu uma luta justa, não

O promotor o cortou. Nunca disse nada sobre uma luta justa, garotinho, ele disse friamente. Perguntei a você se você queria uma luta ao estilo livre. Você disse sim. Você assinou o contrato. J.J. chegou perto de Nick, tão perto que ele podia ouvir sua respiração. Eu acho que você não vai querer desitir agora garotinho, ele repreendeu. Seu nome está no contrato, seu nome está nas faixas. Inferno, seu nome está no telão. Você está na arena, pessoas vieram até aqui e pagaram um bom dinheiro para ver você lutar. E você irá. Você fez um acordo, agora você deve cumpri-lo.

O acordo já era! Nick disse apontando o dedo para o peito de Weller.

Não é assim de onde eu venho, garoto, o promotor disse calmamente, Você está escalado para lutar com o Cajun, nem que ele tenha que te perseguir até o vestiário e arrastá-lo de volta esperneando e gritando. Que inferno, garoto, ele ria, olhe para esta platéia! Você acha que eles irão embora antes de ver algum de vocês beijar a lona? A voz de Weller começava a soar como o silvo de uma cobra. Você pode ir se quiser. Mas pense um pouco, esta é uma luta com regras. Hey, quem sabe, talvez você derrote o cajun, huh? Mesmo que você perca, existem nas regras. Não pode ser assim tão ruim. Você ganha o dinheiro, pega seu nome e dá o fora daqui. Da próxima vez você arranja uma luta mais próxima do seu nível. Você não será um covarde ao menos. Por outro lado…

J.J. balançou a cabeça. Por outro lado, você manda pro inferno o acordo, então nós mandamos pro inferno as regras! O Cajun irá acabar contigo, e ele não irá parar até se cansar. Talvez ele tenha piedade, ou talvez arranque seu braço, isto não importa nem pra ele nem pra mim. Você não possuirá um contrato para te defender, então não ganha dinheiro. E você nunca mais conseguirá que outro promotor negocie com um lutador que quebra contratos. Escolha garoto, Weller terminou calmamente. Mas não demore muito, huh? Com isto, ele deu de ombros e saiu caminhando.

Por um momento Nick pensou sobre tudo que Weller dissera. Inferno, weller era grande, mas ele não era dois – ele poderia destruir o empresário se pusesse as mãos nele.

Cajun e Weller

Mas ele segurou a si mesmo. Ele ficaria muito satisfeito em chutar a bunda de Weller, mas isto iria arruinra sua carreira. Parte de seu cérebro o congratulava por ele estar pensando como um profissional, o profissional que ele queria ser um dia. E era exatamente isto que ele não tinha feito até agora, agir com profissionalismo. Isto foi tudo do que Weller falou até agora sem usar a palavra em si. Nick agiu como um moleque, ao aceitar um contrato sem saber mais informações a respeito da luta, no mínimo deveria saber contra quem ou contra o quê ele iria lutar.

Não, ele não havia agido como um profissional até agora. Agora ele tinha uma escolha: seguir com seu acordo e provavelmente ser derrotado, mas derrotado como um Street Fighter profissional; ou desistir e aguentar a fúria do Cajun, vendo sua carreira se esvair junto com seu sangue pela arena.

Com um frio, e irônico sorriso. Nick foi até o centro do ringue e assumiu sua posição de combate. O Cajun se virou para ele e flexionou seus músculos. Medo percorreu o corpo de Nick. Mas profissionais não sentem medo, ou sentem? Claro, eles devem senti-lo, mas não deixam que o medo os controle. Isto é o que realmente significa ser um lutador profissional.

Nick engoliu em seco e esforçou-se ao máximo para pôr um sorriso no rosto. Eu tenho algo para você, seu filho-da-mãe de sangue-frio! ele escarneou, alto o bastante para ser ouvido pela platéia. Venha me pegar, se você conseguir sua aberração!

E assim a batalha iniciou.


Este conto foi escrito por Nigel Findley e é parte integrante do livro Street Fighter RPG: Guia do Jogador, disponível na seção de Livros Oficiais.

Guerra dos Games

Guerra dos Games

Se você é visitante da Street Fighter RPG Brasil já a algum tempo deve lembrar-se do fanfic Crossover Nostalgia. Pois é, o nome foi dado por mim pois o autor não tinha especificado um ainda. Recentemente, acompanhando o andamento do projeto, notei que o autor finalmente se decidiu quanto ao nome, ou seja, o Crossover Nostalgia tornou-se o Guerra dos Games, e além da troca de nome, o autor nos presenteou com uma belíssima capa e o início da segunda temporada da trama, que você confere abaixo.


Guerra dos Games é uma História em Quadrinhos feita por um camarada do Orkut chamado HQ Games. Ele é responsável pelo roteiro, desenho e cores da obra, que apesar do amadorismo e simplicidade, é muito divertida.

O que aconteceria se os maiores vilões dos games se juntassem contra os mocinhos? Pior ainda, se eles conseguissem além de formar uma grande aliança do mal, dominar a mente de alguns heróis também? Em Guerra dos Games, vilões de Street Fighter, Mortal Kombat, Sonic, Pac-Man e outros se juntaram para pôr um fim de uma vez por todas em heróis como Ryu, Mario, Allejo, Haggar e Alex Kidd em uma trama sensacional. Regularmente HQ Games posta novos episódio e recentemente encerrou a primeira temporada, que está toda compilada no volume 1. De tempos em tempos este post será atualizado com os links para download dos novos episódios da segunda temporada.

Para baixar a primeira temporada completa clique aqui (10MB).

Para baixar o Episódio 06, primeiro capítulo da segunda temporada, clique aqui.

Superman contra a Shadow Law

Superman contra a Shadow Law

“A ocasião em que o Homem de Aço encontrou os mais fortes lutadores da Terra”

Luiz Fabrício "Goldfield" Oliveira nos presenteia com mais uma obra de ficção feita por fãs (fanfic), desta vez o crossover entre Superman e Street Fighter. Para quem não conhece o trabalho de Goldfield, ele é autor dos igualmente inusitados Street Poems, poemas de Street Fighters e de Resident Evil – Experimento X, um crossover entre RE e Street Fighter.

Em Superman contra a Shadow Law, temos uma história paralela aos mundos de Superman e Street Fighter, onde a Lexcorp vendeu boa parte de suas ações para o tirânico M. Bison em troca de uma parceria para eliminar, deuma vez por todas, o maior inimigo de Lex Luthor, o Superman! Será que o homem de aço será páreo para os lutadores mais fortes da Terra? Leia e confira!

Para fazer download do fanfic, clique com o botão direito do mouse sobre a imagem e escolha "Salvar como…"

O Tao do Street Fighting

Faça seu trabalho, então volte atrás.
O único caminho para a serenidade.

– Lao Tsé, “Tao Te Ching”

A vida é um conflito, e lutar é por vezes a solução natural do
conflito. Toda cultura tem histórias de guerreiros que transformaram
meros combates em um modo de vida: os Espartanos
da Grécia, os Monges Shaolin da China, os Samurais do Japão,
e as Amazonas da Scythia. Todos abraçaram os combates como
uma forma de se viver.

Fazendo isso, eles se tornaram altamente reverenciados
dentro de suas culturas – não somente por suas habilidades de
combate, mas também por suas filosofias marciais, que eles
utilizaram nos campos de batalha e na vida. Qualquer um pode
brigar, mas um verdadeiro lutador pode ver além do próximo
soco ou chute para o final iminente.

O Street Fighter, como o monge Shaolin ou guerreiro samurai,
não luta simplesmente pela glória do combate, mas pelo
seu auto-aperfeiçoamento e conhecimento.

Hoje em dia, entretanto, todo Street Fighter tem sua própria
razão para escolher o Street Fighting como seu modo de viver.
Alguns Street Fighters tem modelos exemplares – senseis, sifus, técnicos, ou outros mentores – que os inspiram para
seguir o caminho de um lutador honrado. Lutadores honrados
são aqueles que lutam de modo limpo e justo. Embora o conhecimento
do uso de armas seja comum, lutadores honrados
evitam usá-las; os corpos dos Street Fighters são as melhores
armas; enquanto que estas armas são usadas como muletas
por lutadores baixos.

Um lutador honrado tem uma razão para cada luta que entra.
Não há razão para conflitos sem sentido: lutar sem razão
é o domínio dos loucos e valentões. Um bom lutador deve resistir
à tentação de fazer de cada conflito uma batalha. Isto é
como os lutadores honrados percebem a si mesmo no mundo
que fazem parte, assimilando toda situação como um conflito
em potencial enquanto raramente tornam todo conflito em
uma luta: a sabedoria de saber quando lutar é tão importante
quanto saber quando cair fora.

Um lutador cujo espírito é frágil possui uma força física frágil
como a casca de um ovo. Enquanto há grande prazer em participar
da tradição do combate e saborear a glória da vitória,
ele pode ser drenado em um espírito de luta se elas se tornarem
rotineiras, previsíveis ou sem sentido. Na vida, assim
como no Street Fighting, um lutador deve saber quando confrontar e quando recuar. Ninguém nunca realmente sabe
como uma luta irá terminar quando ela começa – e o Street
Fighter filósofo afirma que é como a vida, a melhor forma de
lutar é deixar ela ir como deve ser, ao mesmo tempo trabalhála
para proveito próprio.

Treinamento em artes marciais prepara um lutador para
mais do que mero combate: um lutador honrado usa o treinamento
para aprimorar não somente seu corpo físico, mas
sua mente e espírito também. Um lutador aprende como
aplicar vários chutes, socos e bloqueios para uma situação
de combate, o lutador também deve mostrar perseverança e
bom julgamento. Indivíduos desonrados, na vida e no Street
Fighting, são aqueles que recorrem a táticas desonrosas como
um método de conseguir, o que prova ser uma
vitória falsa – dentro e fora do ringue – acreditando
que a vitória é mais importante do que a luta por
si mesma.

Treinamento apropriado é essencial para o Street
Fighting. Atividades de resistência, como corrida
e saltos, são importantes para aumentar o vigor;
treinamento com pesos aprimora a força; perícias
de reflexos são testadas através de exercícios de
velocidade, como uma pessoa com o mais rápido
chute ou soco é por vezes o vencedor. Na vida, somente
há uma forma de aprender a ser resistente,
a ser forte e como responder rapidamente. Mas
ultimamente o mais alto treinamento ambos nas
artes marciais e na vida é a meditação, que ajuda
a compreender a claridade mental necessária para
seguir nossos instintos.

Muitos Street Fighters tem medo na primeira
vez que dão um passo dentro do ringue e encaram
seu oponente, mas isto é natural e uma parte do
processo de crescimento. Encarar o medo é um
dos maiores desafios que qualquer lutador pode
enfrentar; aprender a tornar este medo em uma
energia positiva é a lição mais difícil que um lutador
pode dominar. Entretanto, isto é essencial
para confrontar um oponente diretamente se um
lutador quer uma chance de vitória. Como Morihei
Ueshiba diz em “A Arte da Paz”: “Quando um oponente
vem para frente, mova-se e saude-o; se ele
voltar atrás, envie-o nesta direção”.

Um Street Fighter deve sempre respeitar seu
oponente. Olhar um oponente diretamente nos olhos:
isto irá lhe dizer mais do que tentar observar
os pés ou as mãos. Tentar antecipar um oponente
com um forte bloqueio e retornar é uma excelente
maneira de despir o outro lutador. Um bom lutador
nunca subestima seu oponente ou a si mesmo. Um
bom lutador pode tentar aprender mais do que o
possível sobre um oponente, conhecer um inimigo
é tão valioso quanto conhecer a si mesmo. Street
Fighting permite aos participantes aumentar sua
confiança e habilidades e enfrentar oponentes
com várias técnicas e táticas. A “arena” é por vezes
desconhecida e inesperada, mas ser um Street
Fighter é sempre estar pronto para a batalha e requer
somente um raciocínio rápido, habilidades
físicas e muita coragem. Sempre quando a batalha
é uma das vontades, a mesma lição se aplica.

Lutar é uma disciplina que poucos dominam completamente.
Ela requer coragem, honestidade, sabedoria, perícia e força.
Vida e o Street Fighting estão envolvidas pelo simples fato
de que para vencer exige preparação. Aqueles que desafiam
a si mesmos apresentam mais desafio para os outros do que
aqueles que não aprendem e evoluem.

Cabe ao indivíduo decidir está preparado; somente quando
encontrar a luta de sua vida saberá concerteza se está pronto.

Conto originalmente apresentado em inglês no suplemento importado Contenders.

O Caminho das Lendas

O Caminho das Lendas era o fanfic oficial do extinto fanzine Orgulho da Arte (edições #17 a #19), escrito por Carlos "Wind Yang" Dalben há muitos anos atrás. Com o encerramento do fanzine que já estava esporádico há tempos, o fanfic nunca pôde ser concluído, embora fosse muito bem escrito e envolvente. Abaixo seguem compiladas todas as partes publicadas, infelizmente, sem um final.

Prólogo: Um Breve Começo!

Osaka, Janeiro de 1983

Numa praia em Osaka, um corpo é encontrado por Jue, exímio Sensei de Karatê Shotokan. Ele leva o corpo do garoto até sua casa no alto de uma montanha. Passaram-se três dias até o garoto despertar:

– Como está se sentindo jovem? –  Sensei Jue parecia bastante preocupado e contente ao mesmo tempo.
– Não me lembro de nada!!! Onde estou? Que lugar é este? – O garoto estava bem assustado, parecia que tinha sido atropelado por um trem!
– Quanto onde está, fique despreocupado pois está seguro. Meu nome é Jue, consegue se lembrar do seu?
– Meu nome… Nike! Nike Sawada – Respondeu o garoto. 
– Consegue se lembrar até do sobrenome! Pelo jeito ainda tem salvação!!

Sensei Jue tinha pensado muito em ter um discípulo nestes últimos anos. E a chegada do garoto fez ele concretizar a idéia:

– Nike!! Venha aqui um pouco!
– Sim senhor!!
– Diga-me Nike, gostaria de aprender artes marciais?
– Senhor, lembro-me de poucas coisa, quase nenhuma, mas uma coisa que lembro é que sempre gostei de artes marciais. Se o senhor me ensinasse, aprenderia com muito contento! – Nike estava muito feliz.
– Que assim seja!!! Treinarei você na arte do Karatê Shotokan!! E você se tornará grande!!!

E assim o treino foi seguindo…

Triângulo das Bermudas, Fevereiro de 1983

– Paaaaiiiiiii!!!!!!! – O jovem garoto gritava inconscientemente.
– Filho, chegou a hora de seu pai partir. Quero que você fique na ilha para defende-la de um grande mal que vai querer toma-la!! Também espero que você domine o estilo Shang Tsung, pois assim talvez você consiga vencer o grande mal. Adeus meu filho!!
– Não pai! Ainda há muito que aprender! Que mal é esse? Não vá!!!!!

E assim o jovem Oten ficou sozinho na ilha de seu pai, na sua ilha, junto de seus criados. Oten sempre soube que tinha alguma coisa errada com seu pai, alguma coisa que deixava o jovem transtornado. Porém, como seu pai mesmo disse, estava na hora de dominar seu estilo…

Coréia do Sul, 30 de Agosto de 1983

– Parabéns meu filho!!!!
– Obrigado pai! – Andy acabara de completar 13 anos – E o meu presente?!
– Já vou te dar, mas antes preciso conversar com você e tem que ser agora.
– Sim senhor!!

Ambos foram para a sacada da mansão no campo da família Hoon.

 – Andy, sei que você anda treinando Tae Kwon Do com seu tio. Você também sabe que sei Kung Fu e que trabalho para a Polícia chinesa. – A expressão em seu rosto mudou
 – Sei de tudo isso pai, só não entendo o porque de todo esse papo agora!? – Ele estava ficando preocupado.
 – Vou partir para uma missão, não vou mentir, você já é homem e tem que acordar. Poderei não voltar mais para a casa. Por isso vou ensina-lo o meu maior tesouro: o Tienkyaku.
 – O que vem a ser isso pai? E que papo é esse de não voltar para a casa?
 – Não temos tempo para isso, vamos começar o treinamento agora!!
 – Agora!!! E a festa?
 – Eles que fiquem sem o aniversariante.

O Tienkyaku era um chute em que o lutador subia aos ares com o pé em chamas. Conhecido popularmente como Dragon Kick. Um mês depois chegou uma carta à mãe de Andy dizendo que seu marido havia perecido em um lugar chamado Mriganka. Andy ao saber chorou copiosamente.

– Vou vingar você pai!!! Não importa o que tenha o que fazer!!! Vou dominar o Tienkyaku e o Tae Kwon Do!!!

O destino dos jovens estava começando a ser trilhado…

Capitulo I: Iniciam-se as Batalhas

Osaka, Julho de 1987

– Nike!! Venha ver isso!!!
– Ver o que Sensei? – Nike estava terminando o treino do dia.
– Venha ver o discípulo de Gouken, venha ver o Karatê Shotokan em ação!!

Assistindo a luta por um canal pirata eles conseguiram ver a luta final do Torneio do Grande Mestre no qual Ryu, uma revelação do torneio enfrenta Sagat, Tri-Campeão. Nike ficou impressionado com a técnica de Ryu, e ficou mais ainda quando viu o famoso Dragon Punch que Ryu utilizou contra Sagat, rasgando o peito do tailandês.

– Sensei Jue…
– Sei, se interessou no torneio… Primeiro precisa dominar o Hadouken para depois pensar que pode vencer.
– Sim Sensei, vou melhorar bastante.

Os treinos foram seguindo, e Nike havia crescido bastante, tanto física como mentalmente. Em pouco menos que 3 anos já conseguia dominar o Hadouken. No dia seguinte, Sensei Jue chamou Nike para uma conversa:

– Nike, você cresceu muito nestes anos,  dominou rápido o maior segredo de minha arte. Mas está na hora de evoluir sozinho de criar a sua arte, o seu estilo Shotokan. Haverá um torneio no Triângulo das Bermudas, um barco o estará esperando na praia. Vá meu discípulo, e se tiver qualquer problema venha me procurar.
– Sim Sensei, e até breve… – Nike mal terminou de falar e já tinha virado de costas e indo à direção de seu destino.

Triangulo das Bermudas

– Tem certeza sobre esse torneio? – perguntou o mordomo.
– Lógico!!! – respondeu Oten – Dominei meu estilo, agora tenho que testa-lo. E nada melhor que o torneio Street Fighter!!!
– Sim senhor…

Logo após o sumiço de seu pai, Oten treinou intensamente para dominar o estilo Shang Tsung. Sabia que era bom, e também tinha dominado o dom das chamas, Oten era um elemental do fogo, mas por um motivo que ele desconhecia, suas chamas eram negras como as trevas.

– Vou receber diversos lutadores em minha ilha e quero ver se há alguém páreo pra mim nessa joça.

 Oceano Atlântico, próximo ao Triangulo das Bermudas

– Tem certeza do que você está fazendo Andy? – Perguntava Julia sua atual namorada.
– Lógico gata! Vou entrar nesse tal circuito Street Fighter, vencer e achar o desgraçado que matou meu pai!! – por mais que Andy tentasse disfarçar ele sentia muito um desejo de vingança, era esse o motivo dele não parar com namorada nenhuma – E sem contar que esse é o meu passaporte para Mriganka.
– Você é quem sabe, eu só não vejo a hora disso acabar.

A uns poucos metros dali uma confusão estava sendo armada:

– O seu japa!!!! Num to gostando do jeito que tu ta me olhando!!! Cê ta querendo arrumar encrenca é?!?!
– Não tenho a intenção de brigar desnecessariamente, se quiser lutar que espere até o torneio! – respondeu Nike na mais perfeita calma – Uma luta aqui seria totalmente inútil.
– Não quero nem saber seu japa, cê vai ter que lutar comigo e agora!!!

No momento em que o grandalhão iria desferir um soco em Nike, uma rajada de ar o jogou no chão, um feito percebido apenas por Nike. Olhando em volta viu apenas um rapaz de cabelos acinzentados, era Andy fazendo um sinal de positivo.

– Não sei que é você mas obrigado! Não seria bom mostrar minhas habilidades agora! – Nike tinha ido cumprimentar Andy.
– Ah! Num esquenta não! Conheço bem o tipo! Prazer sou Andy Hoon, e essa é minha namorada Julia.
– Prazer! Sou Nike Sawada. Também está indo ao torneio?
– Sim! Quem sabe não nos encontramos numa luta por lá!
– É! Tomara que na final!

Os três se afastaram. Andy e Julia foram para o quarto e Nike foi nadar um pouco, sentia-se muito bem na água, nada mais natural para um elemental da água. Já no quarto:

– Eu não to entendendo onde você quer chegar com tudo isso Julia!?
– Conheço você Andy, sou sua amiga há tanto tempo. Achei que você tinha mudado mas é tudo a mesma coisa. Quer dormir comigo apenas para me dispensar depois, como fez com todas as outras!!!
– Você ta achando que eu sou o que?! Terminei com as outras porque não deu certo e não só porque dormi com elas!!
– Não sei se posso confiar em você? – Julia começou a lacrimejar.
– Se não confia em mim, não vejo o porque continuarmos juntos. – ele estava ficando transtornado com tudo isso. Realmente não entendia o motivo dessa discussão besta. Amava realmente Julia e queria ficar com ela para sempre, mas se ela não confiava nele, não há motivos para continuarem namorando. – E então o que decide Julia?

Julia parou, pensou durante cinco minutos:

– Desculpe amor. Eu fui uma tonta mesmo. É que eu fico tão insegura com você.
– Não precisa se preocupar. Eu estarei com você sempre. Sempre.

Quando o clima iria esquentar, ouviu-se ao longe:

– Terra à vista!!! Chegamos a ilha!!!

Parece que Andy não tem sorte mesmo…

Capítulo II: O Primeiro Torneio

Triangulo das Bermudas

O barco havia parado a mais de duzentos metros da arena onde seria realizado o torneio. Por ser um terreno montanhoso demoraram meia hora para se chegar até lá. A arena parecia um enorme coliseu armado para um grande duelo de titãs. Quando já estavam lá dentro, um homem vestido como um mordomo subiu no ringue e pôs-se a falar:

– Bem vindos ao Triangulo das Bermudas senhoras e senhores. Espero que entendam o valor desse privilegio. Com a permissão dos senhores passo a vós para o idealizador desse torneio. Uma salva de palmas para o senhor Oten Cyspen!!!
– Boa noite a todos!! Espero que estejam todos prontos para este torneio. Sei que é o primeiro torneio de muitos de vocês. Pra ser sincero é o meu primeiro também. Faço questão que os combates sejam honrados, aqueles que demonstrarem desonra serão eliminados do torneio. No mais espero que façam boas lutas e boa sorte a todos!

As chaves foram feitas. Andy lutaria com um lutador chamado Fen, lutador de Wu Shu, Cold lutaria com Kevin, um Kickboxer, e Nike lutaria com um Wrestler, aquele mesmo da confusão passada, seu nome era John.

– Primeira luta!!! Andy Hoon VS Fen Wo!!!
– Espero que façamos uma boa luta Fen! – Andy estava bastante animado, sua primeira luta Street Fighter!
– Desejo sorte pra você também Andy!!
– LUTEM!!!

Assim que juiz autorizou, eles ficaram se olhando por muito tempo. Um estudando o outro. Mas foi Andy que deu o primeiro passo:

Dankuukyaku!!!

Os três chutes pegaram em cheio o rosto de Fen que não se levantou mais. A torcida ficou calada, ou Fen era muito fraco ou Andy era forte demais.

– Incrível!!! Com apenas um golpe Andy vence o adversário! Andy Hoon é o vencedor!

Enquanto Andy descia foi abraçado por Julia, e cumprimentado por Oten.

– Meus parabéns. Demonstrou muita técnica. Mas não pense que isso é suficiente para me derrotar.
– Eu sei. Mas sei que não perderei. – Andy estava muito confiante.
 – Assista e chore! – Oten parecia querer provoca-lo, mas Andy apenas de divertia com tudo isso.

Na arena:

– Ha!!! Então você que organizou essa porcaria aqui? Nunca vi tanta lesma num lugar só! E você também não é muita coisa não!
– Se não está certo de si, não tem porque permanecer aqui. Pode ir embora se quiser, mas só pode ir nadando.
– Mesmo sendo um porcaria ainda vale um pouco de renome.
– Estão prontos? – perguntou o juiz, já cansado de tanto falatório.
– Sim! – responderam em uma única vós.
– PODEM COMEÇAR!!!

Kevin partiu pra cima com um Double Hit Kick. Oten defendeu e ficou observando Kevin.

– Você vai fica a luta inteira aí parado!? – Kevin partiu com uma seqüência de socos e chutes todos defendidos por Oten.
– Só estou curtindo o seu desespero por não poder me acertar. Você é um mané mesmo!! – Oten ria da cara de seu adversário, parecia brincar com ele como um menino brinca com seu boneco.
– Você tá achando que isso aqui é brincadeira seu F!#$% da P#$%!!!
– Bom. Vamos terminar com essa brincadeira. Já estou ficando cansado!! – Oten começou a concentrar chamas em suas mãos. Chamas negras – Toma isto!! Fire Sempuken!!!!

Das mãos de Oten saíram rajadas de fogo que acertaram Kevin em cheio, finalizando o combate.

– E o vencedor é… Oten Cyspen!!!

Enquanto Oten descia, Nike subia na arena.

– Feche a boca japinha! Eu sei que foi impressionante! – Não daria pra saber de onde vem tanto ego.
– Humpf! – Nike parecia pouco ligar para a provocação.
– Próxima luta Nike Sawada contra John!!
– E então seu japa, pronto pra terminar com aquela briguinha?
– Ai, ai… Eu só queria saber por que o povo daqui gosta mais de falar do que de lutar, será que é pra espantar o medo?
– Você vai ver o que é ter medo!!! Aaaaahhhhhh!!! – John agarrou Nike antes que este pudesse esquivar-se, e subiu aos ares com seu Spinning Piler Driver. E logo depois afundou a cabeça de Nike no chão.
– Aaaaiiiii!!! – O golpe fez muito estrago em Nike.
– O quê vai fazer agora seu japa? Ficar com a cara no chão?

Nike ficou parado por alguns segundos, se movendo apenas para desviar dos socos e chutes de John.

– O que você tem de força, perde e muito em agilidade. A luta vai começar agora.

Nike partiu pra cima com um chute forte mas ao mesmo tempo preciso, imediatamente desferiu um soco na face de John. Por fim concentrou-se apenas por um instante.

– Isso termina agora! Hadouken!!!! – Uma onda de chi sai das mãos de Nike e certam John, nocauteando-o.
– E o vencedor é Nike Sawada!!!
– Grande luta Nike! Não sabia que manjava o Hadouken.- Andy tinha ido cumprimenta-lo.
– Obrigado Andy! Cheguei a achar que iria perder. Mas diga, como ficaram as lutas?
– Você vai enfrentar um tal de Felipe Rodrigues, ele é um capoeirista. E eu vou enfrentar aquele tal de Oten.
– Fica esperto Andy! Aquele cara é bom! Ele controla o chi muito bem, e parece que ele gosta de brincar com caras que não atacam de longe.
– Se liga Nike! Eu tenho muito mais o que mostrar! Bota uma fé que você vai ver!
– Tudo bem. Se é o que você diz, quem sou eu pra duvidar.
– Primeira luta da semi-final: Oten Cyspen VS Andy Hoon!!!

Capitulo III – A Verdadeira Batalha Começa

Triangulo das Bermudas, 23:30 hs.

Oten partiu pra cima como um lobo correndo para agarrar sua presa. O que ele não esperava era que essa presa não era tão fácil de capturar.

– Vou deixar as cerimônias para mais tarde Oten! Coma meu Dankuukyaku!!! –  Andy voou para cima de Oten com seus três chutes. Mas estes foram todos defendidos por Oten.
– É só isso o que tem para mostrar coreano? Já vi esse golpe antes, e nem o achei tão bom. Por enquanto contente-se com o meu… Fire Sempuken!!! – o golpe acertou Amdy em cheio.

Andy estava atordoado, mal conseguia raciocinar direito. Oten ao ver tal cena não pensou duas vezes para atacá-lo. A vaia da torcida foi unânime, eles estavam lá para ver um combate honrado, não uma demonstração de barbárie.

– S-só assim que consegue vencer… lutadorzinho de meia tigela! – Andy estava quase sendo derrotado, mas ainda tinha uma carta na manga. – Vamos seu bundão! Ataque-me se tiver coragem!
– Você fala demais para quem já está derrotado. Mas vou atender seu pedido. Prepare-se!!! Iiiiiiaaaaaaaa!!!!!
– Você caiu direitinho sua besta…  TIENKYAKU!!!! – Andy subiu aos céus como um dragão ardendo em chamas. Era o Dragon Kick, manobra aprendida com seu pai.

Nike ao ver a cena ficou surpreso: – Mas como? Que eu saiba, aquilo é manobra exclusiva do kung-fu?!

– E então, o seu bunda-mole, vai fica aí caído ou vai resolver lutar?
– Não sei como aprendeu o Dragon Kick e nem quero saber, mas a batalha está longe de acabar.

De repente uma voz estrondosa começou a repercutir na arena:

– É certo que a batalha vai começar agora caro Oten filho de Grend. Pois hoje é o dia em que me apossarei de sua ilha para sempre.-  o homem vestia um tipo de uniforme militar vermelho, uma capa preta como as trevas e no quepe um crânio partido com asas dourado. Sua forma física era grandiosa, maior e mais forte do que qualquer homem ali presente sonhou em ser.
– Tomar minhas terras!?!? Deve ser o tal de “grande mal” que meu pai me falava tanto. Mas quem diabos é você? – gritava Oten intensamente.
– Eu sou Bison o cabeça da Shadaloo! Viajei muito para chegar até aqui.
– Sha…da…loo? Shadaloo!!!! Maldito!! Você matou meu pai, desgraçado vai morrer!!! – com total insanidade, Andy correu em direção à Bison, mas foi jogado longe pelo Psycho Power do inimigo, sendo amparado por Nike.
– Soldados! Matem todos que estiverem na ilha!! Vamos esvaziar essa lixeira.

O soldados atiraram em todos os presentes, Andy, Nike e Oten estavam conseguindo fugir e acabar com uma boa parte dos soldados, até que de repente:

– Aaaahhhh!!!!! – O grito foi prontamente reconhecido por Andy, que ao olhar reconhece sua namorada sendo segura pelo pescoço por Bison.
– Essa ERA sua namorada, não Andy? É uma pena que uma coisa tão linda tenha que ter se perdido por causa de alguém tão estúpido… Você não se sente culpado garoto?

Andy sentiu uma raiva que nunca tinha sentido. Só não partiu pra cima de Bison por que foi seguro por Oten e Nike

– Bisoooonnn!!!! Você vai pagar pelo o que fez maldito!!!! Juro por tudo que é mais sagrado, eu vou vingar meu pai e Julia!!!!!

Os três partiram numa lancha que Oten possuía.

Sidney, Austrália, 3 dias depois.

Oten conseguiu pagar um hotel para os três ficarem enquanto recuperavam-se das feridas. Andy não saiu da cama desde que chegaram, o choque de ver Julia morta foi demais para ele. Nike tentava consola-lo, dizendo que não era sua culpa e que Julia tinha ido pra um lugar melhor, quando de repente:

– Pessoal, ‘ceis não vão acreditar… Vai acontecer um torneio em Nova Orleans daqui a uma semana – Oten não percebera que aquele momento não era para torneios.
– E daí…. Um torneio inútil não vai me ajudar em nada… – Andy falava como se o mundo tivesse acabado.
– Eu  acho que vai ajudar sim, principalmente pelo fato que ele está sendo promovido pela Shadal…
– O QUE???? – Andy nem deixou Oten terminar de falar – O que estamos esperando? Vamos pra lá agora!!!
– Pode deixar vou ligar para o aeroporto e providenciar as passagens. E talvez dê pra gente terminar nossa lutinha!!!
– Affff… Tu não sabe como eu me importo com isso… – disse Andy num tom sarcástico.
– Vocês dois não podem deixar esse papinho besta pra depois não? – Nike já estava cansado desse falatório – Afinal, temos uma viagem pra fazer!!!

Confronto Sangrento

O Grande Lutador e o Empresário Ambicioso

Bob Reagan é um bem sucedido empresário de Nova York. Ele faz parte de uma organização chamada Money Guy´s, uma organização bastante poderosa que é composta por nobres e milionários de diversas nacionalidades e ramos empresariais (ilícitos ou não). Dentro do clube, existe um Círculo Interno composto por vários empresários do circuito Street Fighter.

Os membros deste Círculo interno organizam todos os anos um torneio de lutas que se chama: Encontro das Feras, onde cada membro do grupo contrata um lutador em particular para representá-lo na arena. Se um membro consegue sair vitorioso do torneio com o seu lutador, significa que o seu status no grupo aumentará, e assim será nos anos seguintes caso ele mantenha-se vitorioso, até chegar no nível máximo do evento que se chama: Boss. Esse nível tão gratificante para os membros do grupo, nunca foi tão cobiçado pelo empresário Bob Reagan que está a um passo de conseguir seu objetivo.

Jack Miller, um habilidoso lutador de karatê é a marionete usada por Bob Reagan para conseguir alcançar o seu objetivo. Jack já venceu três torneios consecutivos, e são necessárias quatro vitórias para que o membro Money Guy chegue ao posto de Boss. Jack Miller é um lutador muito cobiçado pelos outros membros do Money Guy´s e alguns deles já tentaram levá-lo para o seu lado, mas Jack se mantêm fiel a Bob, que parece pressioná-lo a todo instante. Bob está muito confiante de que Jack vencerá facilmente o ultimo torneio, mas ele nem imagina o que o espera, e essa surpresa poderá arruinar os seus planos completamente.

O jogo também serve para cães de guarda…..!

Nova York, cidade metropolitana de muitos habitantes, composta por ratos sujos, leões engomados, gatos com canetas na mão e cães de guarda de ruas sedentas. Mike Miller é um desses cães de guarda que tentam colocar ordem nas ruas de NY. Mike foi transferido recentemente de sua unidade policial que se localiza na Filadelfia por má conduta, simplesmente por não ter aceitado (e agredido) o seu novo parceiro. Depois de um ano de adaptação em sua nova e rígida unidade policial de NY, Mike parece ter entrado nos eixos, deixando de ser aquele orgulhoso e arrogante tira, para um exemplar e agora controlado detetive de crimes e desaparecimentos. A antiga arrogância de Mike, fez com que ele afastasse muitas pessoas em sua vida, principalmente a única pessoa de restou de sua família, o seu irmão Jack…… Aquele velho Mike, impulsivo, ignorante e arrogante está morto. Agora os seus velhos e novos companheiros podem dizer que Mike teve uma mudança radical! Dizem que o motivo de sua mudança, foi pelas várias e cansativas conversas que o tenente Buckler teve com Mike em sua sala particular no início de sua estadia na unidade policial de NY. O agora responsável, exemplar, pensativo mas ainda durão Mike, quer resgatar as coisas que perdeu por causa de sua arrogância, principalmente reatar a sua convivência com os seu irmão Jack, que neste momento deve estar em Chicago com a sua esposa Vanda e a sua filha Diana. Apesar de sua ânsia de férias, que está bem próxima, Mike ainda tem que resolver um caso pendente: prender um suspeito de uma lavagem de dinheiro multi-empresarial, que se chama Bob Reagan. Mike só precisa de umas informações concretas desse indivíduo para que ele possa visitar seu irmão Jack e as suas tão esperadas férias aconteçam , mas ele nem imagina que essas férias estarão longe de acontecer com a super investigação que ele se envolverá e com as coisas que ele descobrirá……

Um jogo de vida ou morte

Vendo que sua família estava passando necessidade, Jack Miller estava angustiado e inconformado com a situação em que se encontrava. Ele até pensou em pedir ajudar para o seu irmão Mike, mas provavelmente se desentenderia com ele novamente. Jack pensava cada vez mais na tentadora proposta de seu amigo Bob Reagan, recém funcionário de uma grande empresa. Vendo que não tinha outra opção, Jack resolveu aceitar a tal proposta de Bob, que segundo ele, renderia um bom dinheiro. Jack teria que quebrar a promessa que fez a sua mulher Vanda de não lutar mais, mas desta vez era necessário, e além do mais, era um simples evento de nobres e apostadores que não tinham o que fazer pagando para assistir violentas lutas em um clube, pelo o menos era o que Jack pensava….

Um pouco desconfiado e surpreso, Jack vence o tal evento formado pelos amigos de empresa de Bob Reagan e lucra muito dinheiro com isso, o suficiente para sair do fundo do poço em que se encontrava. Bob tenta convencer o amigo a entrar no evento do ano seguinte. Mesmo estando ainda desconfiado, Jack resolve aceitar novamente a proposta de Bob, alias foi mais fácil do que ele pensava e o dinheiro que recebeu era bom e o suficiente para segurar umas barras financeiras por um bom tempo.

Um ano se passou, e como havia dito, Jack voltou a participar de mais um novo evento empresarial de Bob. Desta vez, os lutadores que participavam do novo evento pareciam mais fortes e habilidosos do que antes. Jack sentiu um pouco de medo e até pensou em desistir, mas ele pensava que já que ele estava ali, não custava nada tentar. Ele mais uma vez havia vencido o evento, que desta vez foi um pouco mais desafiador. Novamente lucrou um bom dinheiro e partiu para a sua casa. Muitos dos amigos de Bob entraram em contato com Jack após o segundo evento pedindo para que ele voltasse no ano seguinte mas sendo lutador de outro membro, mas Jack não aceitou.

Mais um ano se passou, Jack estava bem de vida, se mudou para Chicago, a cidade que a sua mulher tanto adorava. Bob Reagan voltou a fazer outro convinte para Jack , para que ele participasse de um novo evento, que agora tem um nome: Encontro das Feras. Jack pediu para o amigo Bob para que desse um tempo para ele pensar. Bob calmamente concedeu o tempo para ele. Jack mais uma vez se via na tentadora proposta de participar do torneio Encontro das Feras. Se envolver em emocionantes e excitantes lutas, lucrar um bom dinheiro e superar mais um desafio em sua vida parecia ser uma boa idéia para Jack, mas sua mulher Vanda não parecia apóia-lo desta vez. Jack teve muitas discussões sérias com a sua esposa Vanda, quase chegando a agredi-la, mas parecia que ele novamente estava decidido. Jack novamente aceitou a proposta do amigo Bob, mas ele prometeu a si mesmo que participaria pela ultima vez do evento.

Encontro das Feras, terceira edição. Jack mais uma vez se via em uma jaula com vários leões querendo devora-lo na arena. Os oponentes desta vez pareciam mais ameaçadores do que nos eventos anteriores. Muitos deles temiam Jack pela sua fama, conhecido pela sua colossal presença majestosa, o Dragão Vermelho é o que Jack estava sendo chamado por alguns membros do evento e pelos seus oponentes. Por mais difícil que parecesse, o Dragão Vermelho mais uma vez venceu o torneiro Encontro das Feras, abandonando de vez a sua vida nas arenas.

Jack retornou ao seu lar, para a sua esposa Vanda e sua filha Diana. Ele se reconciliou com a sua esposa que estava muito triste com ele e prometeu a ela que nunca mais voltaria a participar desse evento, mas Jack estava muito longe de abandonar as arenas.

O coelho que se tornou lobo

Bob Reagan estava muito furioso porque seu amigo Jack o abandonou no torneio Encontro das Feras. Ele estava prestes a conseguir o cargo tão cobiçado pelos membros do tal grupo empresarial que organizava o evento. Bob Reagan tentou encontrar outros lutadores pelo Estados Unidos, mas não teve sucesso. Ele sabia que logo perderia sua fortuna se não tivesse Jack ao seu lado, pois nenhum lutador se comparava ao Dragão Vermelho. Bob resolveu fazer um furo na empresa onde trabalhava, fazendo uma lavagem milionária para poder viajar pelo mundo e tentar encontrar outro lutador a altura de Jack. Após a lavagem, Bob pediu demissão. Mesmo sem entender (não sabendo da lavagem), os chefões da empresa aceitaram a demissão de um de seus melhores funcionários. Bob começou a viajar pelo mundo a procura de lutadores capazes de superar Jack, mas nenhum foi com o seu gosto. Bob, mesmo com uma mínima esperança, tentou encontrar Jack para convence-lo a participar pela ultima vez do torneio Encontro das Feras.

Alguns meses se passaram, e a lavagem foi descoberta na antiga empresa em que Bob trabalhava. Um dos chefões da empresa, que se chama Giovanni, fazia parte secretamente do torneio Encontro das Feras e não perdeu tempo para entrar em contato com Bob para avisa-lo da enrascada em que estava metido. Bob e Giovanni se encontraram. Giovanni explicou toda situação e disse para Bob que o caso já estava sendo investigado pela polícia e que eles já estavam o procurando, mas ele fez uma proposta para Bob. Giovanni disse que encobriria Bob, mas com umas condições: trazer Jack Miller de volta para o torneio, fazer com que ele seja o novo tutor de Jack após o final do evento e entregar todo o dinheiro lucrado nas lutas. Bob Reagan se encontrava em uma situação difícil, mas ele tinha que tirar o seu corpo fora para evitar ser preso. Bob aceitou e recebeu toda a proteção de Giovanni depois desse dia.

Após umas semanas, Bob foi até Jack, lhe fazendo novamente a proposta de participar do torneio pela última vez, mas Jack estava decidido, ele prometeu que nunca mais lutaria novamente em uma arena e com isso em seu fardo, Jack negou a proposta de Bob. Bob insistiu mas não teve sucesso, realmente Jack estava duro como uma rocha em sua decisão e nada o faria mudar de idéia. Bob se desesperou, começou a entrar em pânico, mas um tempo de reflexão o fez pensar. Bob resolveu tomar uma medida drástica para convencer Jack a participar do torneio. Bob armou um seqüestro para a sua esposa e filha. Em um belo dia, Jack estava retornando de sua corrida rotineira, pronto para receber um carinho de sua mulher e brincar com a sua filha, mas quando chega em sua casa logo percebe a ausência de ambas. Jack se desespera, até perceber um bilhete informando um endereço e o autor dele: BOB REAGAN!!!

Chegando no lugar marcado, Jack com grande fúria entra no restaurante marcado pelo seu agora inimigo Bob. Em uma mesa reservada está Bob e Jack logo o avista, tomado de fúria. Jack pega Bob pelo colarinho pedindo uma rápida explicação esperando que aquilo seja uma brincadeira ou surpresa, porque hoje é o seu aniversário. Bob sarcasticamente sorri e diz que infelizmente isso não é uma brincadeira e que se Jack não participasse mais uma vez do torneio Encontro das Feras, ele perderia sua esposa e sua filha. Jack tenta se acalmar para tentar acreditar que isso está acontecendo com ele. Bob mantém uma postura mais séria repetindo várias vezes a explicação da situação para Jack até cair sua ficha. Jack com a amargura da traição do amigo Bob, ele vê que não tem outra opção a não ser participar do torneio, aliás a vida de sua esposa e sua filha está em jogo. Desta vez o Dragão Vermelho terá que mostrar o seu poder máximo. Será que Jack vencerá mais esse desafio? Veremos…

*******************

Este conto é de autoria de Willians Jr. do antigo fórum da Burning Spirits. Ele servia de ambientação para uma crônica do autor tendo como tema este torneio ilegal (Encontro das Feras) e as motivações de alguns personagens centrais. Este conto foi levemente modificado por Fernando Jr, que removeu algumas explicações iniciais quanto ao tema da crônica e mudou a descrição dos membros do Money Guy's, que foram expandidos em um tópico próprio para uso em mesas de jogo. 

Resident Evil: Experimento X

Resident Evil: Experimento X

"Às vezes as peças de um quebra-cabeça devem ser misturadas para que possamos desvendar o enigma."

Ok, duvido que vocês já tenham imaginado um crossover tão inusitado quanto Street Fighter vs Resident Evil! Pois é, nosso colaborador Luiz Fabrício "Goldfield" de Oliveira (autor de Street Poems e Superman contra a Shadow Law) pensou e é mais este fanfics inédito que trazemos para os visitantes da Street Fighter RPG Brasil hoje.

Resident Evil: Experimento X é uma amálgama das histórias de Resident Evil: O Hospéde Maldito, com Street Fighter: A Batalha Final (o filme do Van Damme) e Street Fighter 2: Victory, tendo obtido um excelente resultado com intrigas, espionagem, combates e por aí vai, tudo o que uma boa história envolvendo os maiores brigões do universo dos games deve ter!

E se Blanka fosse fruto das pesquisas genéticas da Umbrella Corporation? E se Bison fosse o financiador de tais pesquisas com o intuito de desenvolver um super-guerreiro? Guile e Nash combatendo o narcotráfico internacional na Colômbia? Zangief e outros membros da KGB realizando espionagem industrial? S.T.A.R.S combatendo com Street Fighters? Tudo isso e muito mais nesse inusitado, porém excelente fanfic!

Para fazer download do fanfic, clique com o botão direito do mouse na imagem e escolha "Salvar como…"

Street Poems

Street Poems

Todo mundo conhece ao menos um fanfic ou fanart de Street Fighter, certo? Mas e poemas? Hã? Sim você leu corretamente! O que me dizer de sonetos de Street Fighter? Luiz Fabrício "Goldfield" de Oliveira Mendes (autor de Superman contra a Shadow Law e Resident Evil: Experimento X) prestigia a famosa série dos brigões de rua com 16 sonetos contando um pouco de cada personagem da saga. E não é que ficou bom mesmo? Cada soneto foi muito bem escrito, como manda nossa gramática e abrange todos os 16 Guerreiros Mundiais mais conhecidos do universo de Street Fighter.

Cultura na Street Fighter RPG Brasil: Porque nós vamos ao encontro do mais culto!

Update 20/02/2011: não deixe de ler também o Street Poems Alpha!

Clique na imagem para baixar!

Conspiração Total

"Conspiração Total" é um fanfic escrito por Eric "Musashi" Souza (webmaster da Shotokan RPG) ao longo de seus anos como jogador, não somente de Street Fighter RPG, mas outros títulos da White Wolf como Vampiro: A Máscara e Lobisomem: O Apocalipse.

Conspiração Total nos conta uma incrível saga de três amigos e grandes lutadores: Kaneda, Iori e Hwoarang. Suas vitórias, derrotas, conquistas, sua incessante luta contra o mal e sua longa caminhada rumo ao sonho de qualquer Street Fighter: se tornar um Guerreiro Mundial! Leia "Conspiração Total" e faça uma viagem incrível através das maiores aventuras da série Street Fighter: desde a ascensão de Ryu como Campeão Mundial em Street Fighter 1, os acontecimentos de Street Fighter Alpha, a glória máxima em Street Fighter 2, a história controversa de Street Fighter Ex e por fim, o derradeiro e último torneio mundial em Street Fighter 3. Tudo isso sob a ótica de nossos heróis, criados pelos amigos do grupo de RPG de Eric e por ele próprio.

Não há como não se emocionar com as tragédias, as trapaças, as vitórias e a enxurrada de combates e aventuras eletrizantes contidas neste fanfic, que é sem sombra de dúvida, uma das obras máximas, não oficiais, de Street Fighter.  Mais um fanfic selecionado a dedo por Fernando Jr para colocar à disposição dos visitantes da Street Fighter RPG Brasil!

Baixe "Conspiração Total" (clique com o botão direito e escolha "Salvar como…" ou "Salvar Link como…")

O Grande Mestre

Muitos anos atrás, na China, havia um grande mestre das artes marciais cujas técnicas eram praticamente invencíveis. Ele ensinava um estilo de luta bastante difícil e que exigia muito do praticamente, tendo uma rotina de treinamentos incrivelmente rigorosa. Ele e seus discípulos acordavam antes do amanhecer todos os dias e treinavam o dia inteiro sem pausa até mesmo para uma refeição ao meio-dia.

Como vocês poderiam esperar, muitos de seus discípulos não conseguiam suportar isso. Alguns partiam furiosos, enquanto outros escapavam sorrateiramente durante a noite e passavam o resto de suas vidas envergonhados. Após vinte anos, apenas seis discípulos – discípulos extraordinários – restavam.

Uma manhã, ao invés do treinamento de sempre, o mestre disse – "Todos vocês, venham comigo". Curiosos, porém obedientes ao seu mestre, os discípulos seguiram por uma longa e penosa trilha montanha adentro, cada um deles caminhando silenciosamente. Finalmente, eles chegaram a uma pequena clareira onde estava um tigre magnífico e feroz, que estivera matando camponeses de vilarejos das redondezas. O tigre, vendo os homens em seu território, enfureceu-se e avançou na direção deles.

Os discípulos estavam todos paralisados de medo, mas o mestre não. O tigre saltou sobre eles e o mestre fez um pequeno gesto com a mão, enquanto expirava o ar suavemente. O tigre, a mais de seis pés de distância, caiu morto! Os discípulos ficaram todos chocados e olharam para seu mestre com grande respeito e admiração.

Virando-se para o primeiro, o mestre perguntou: – "Você gostaria de aprender essa técnica?"

 – "Sim mestre. Se você bondosamente me ensinasse."

 – "Você gostaria de aprender essa técnica?", o mestre perguntou ao segundo discípulo.

 – "Mestre, se você me honrasse ensinando a técnica, eu a aprenderia de bom grado!" o segundo discípulo respondeu. O mestre então fez ao terceiro, quarto e quinto discípulos a mesma pergunta, recebendo respostas similares.

Virando-se para o sexto discípulo, o mestre perguntou: – "Você gostaria de aprender essa técnica?"

 – "Não, mestre!" respondeu o sexto discípulo. Os outros ficaram chocados!

 – "Com sua licença mestre", o sexto discípulo disse, "eu quero aprender a defesa contra essa técnica".

O mestre sorriu e dispensou os cinco primeiros discípulos. O sexto permaneceu com ele durante vários anos.

Conto de autoria desconhecida.