Arquivo da tag: cultura

Street Fighter: Code of Honor

Atualizado em 05/02/16

elenco_americano_sf

Há muitos anos atrás (mais precisamente em 1995), quando Street Fighter II ainda era uma febre recente e a gurizada lotava as casas de fliperama (ou os botecos mesmo) existiam produtoras de desenhos animados, estúdios de história em quadrinhos e mais um monte de gente interessada em lançar coisas novas sobre Street Fighter. Alguns produtos como a excelente série Street Fighter II: Victory acertou em cheio a dose de emoção, combates violentos e carisma dos personagens. Algumas HQs como as da Malibu Comics exageraram no sangue e chegaram a matar o Ken em suas páginas. Dentre todos os lançamentos de produtos que tivemos aqui no Brasil, um que chamou a atenção foi o desenho animado americano Street Fighter: The Code of Honor (também conhecido como Street Fighter: The Cartoon e Street Fighter: The Game).

Ao contrário de Street Fighter 2: Victory que centrava a história em Ryu e Ken (um pouco mais em Ryu para ser exato), SF: Code of Honor centrava a história em Guile (era um desenho americano ora bolas!) e em suas missões, envolvendo combater a Shadaloo, sempre ao lado de seus amigos Guerreiros Mundiais. Servindo como uma sequência ao filme do Van Damme, servia a mesma linha do filme e ainda chegava a apresentar personagens inéditos para os fãs da época como Gouken e Akuma.

Para o bem ou para o mal, este desenho animado influenciou muito a versão nacional dos quadrinhos de Street Fighter, como citado na entrevista que fiz com Marcelo Cassaro. Ele cita alguns trechos infelizes do roteiro deste desenho animado que não reproduzirei aqui para que leiam a entrevista na íntegra, mas que servem como exemplo do tipo de meleca que os americanos fizeram.

O desenho passou aqui no Brasil pelo SBT, durante um intervalo entre a repetição da série SF 2: Victory. Lembro de ter estranhado muito a “troca”. Anos mais tarde passou no Cartoon Network, logo após SF 2: Victory ter terminado. O mais engraçado dessa história toda é o fato de que quando o Silvio Santos fechou contrato com a representante da Capcom que vendeu o desenho, ele teria comprado SF: Code of Honor, mas como a produção estava demorando demais para entregar os episódios prontos, eles entregaram um desenho japonês que estava sendo exibido somente no Japão, que era o SF 2: Victory. Se não fosse essa confusão, provavelmente nunca teríamos visto a série Victory por aqui. Bons tempos aqueles do SBT…

Street Fighter: The Code of Honor

Independente da história fraca, o desenho trata dos nossos brigões favoritos ora bolas! Por mais bizarro que possa parecer, eu gosto de vê-lo, quando acho algum episódio novo, e é possível encontrá-lo dublado no Youtube, mas que por questões legais não pude embedar aqui no post, mas procurem pelos nomes citados que vocês acham. Uma das minhas grandes cíticas quanto à série é o fato do Chi ser algo banal por lá. Enquanto que em outros animes os poderes especiais dos lutadores são tidos como fantásticos e enigmáticos, aqui Guile solta Sonic Booms com tanta facilidade quanto Balrog da socos. Abaixo seguem todos os episódios em inglês e sem legenda dos episódios que encontrem. Dêem uma olhada e tirem suas próprias conclusões todos os episódios está dividida em duas partes.

Entrevista Minotouro

Entrevista Minotouro

O baiano Antônio Rogério Nogueira, mais conhecido como Minotouro tem 34 anos e é um famoso lutador no cenário do MMA mundial e principalmente no Brasil. Competindo na categoria até 93Kg, é considerado um dos melhores da mesma. Suas especialidades são o Jiu Jitsu Brasileiro (faixa-preta), o Boxe, o Muay Thai e a Luta-Livre. Até o fechamento deste post, o cartel de lutas de Minotouro marcava 18 vitórias (5 por nocaute) e 3 derrotas (apenas uma por nocaute). A entrevista a seguir foi resumida e a original pode ser conferida na íntegra no site Portal do Vale Tudo. Minotouro lutará em um importante evento do UFC agora no final de maio e é interessante saber um pouco mais da história de mais esse brazuca campeão.

******************************

Gêmeo univitelino do maior ídolo da história do MMA brasileiro (o Minotauro), Rogério Minotouro Nogueira nunca teve vida fácil, mas com a obstinação que traz em seu DNA conseguiu vencer todos os obstáculos que cruzaram seu caminho. Depois de vencer grandes nomes do MMA como Sakuraba, Dan Henderson, Vladimir Matsuchenko e Alistair Overeem, Rogério anda se aventurou no mundo do Boxe onde conquistou uma inédita medalha de bronze na categoria Super-Pesado para o Brasil nos jogos Pan americanos do Rio.

Depois da impressionante estréia no UFC 106, nocauteando o até então invicto Luis Banha, rogério vem sendo apontado entre os principais candidatos para, em pouco tempo, disputar o cinturão Meio-Pesado do UFC. Nesta entrevista concedida à PVT Magazine, Nogueira comentou o próximo desafio, contra Forrest Griffin no dia 29 de maio (UFC 114), apostou na vinda do UFC para o Brasil em 2011 e falou do seu sonho de conquistar o cinturão, que hoje se encontra nas mãos de Lyoto Machida.

Forrest Griffin

Será uma boa luta em pé. Ele é um cara valente, brigão, que gosta de usar bastante o Muay Thai, soca bem, chuta bem, aguenta muito. gosto de lutar contra caras do estilo dele.

Quem gostaria de lutar

Um lutador que casa estilo bem comigo é do Rashad evans, acho que daria uma luta boa. Ele faz umas fintas, meio boxer, gosta de trocar de pé, gosta de botar pra baixo, não é de passar a guarda para finalizar, então daria uma boa luta.

Maior Conquista

Acho que foi essa estréia no UFC. Me botaram uma pedreira pela frente. Antes da luta eu estava apreensivo, porque o Banha é um dos caras mais perigosos que eu já lutei. Com uma linha de Boxe perfeita, boa defesa, ataque, Muay Thai, chuta, soca, defende queda.

É faixa preta em Jiu Jitsu, compridão, canhoto. Mostrei muita garra, determinação para conseguir esta vitória, que foi também um cala boca em muita gente que falava que o Minotouro não estrearia bem.

Com todo respeito ao Banha, que para mim é um casca grossa. Ele foi o maior desafio da minha carreira e tenho certeza que vai dar a volta por cima, pois está entre os cinco melhores da categoria.

Volta por Cima

As vezes uma derrota te faz aprender muito. depois que fui nocauteado pelo Sokodjou, passei a treinar ainda mais para dar a volta por cima, depois disso venho só de nocautes.

Bronze no Pan

Foi legal, muito bom, uma experiência que marcou minha vida. Se eu tivesse tempo e idade, gostaria de lutar as Olímpiadas de 2016 aqui no Brasil. Não dá pra explicar a emoção de lutar pelo seu país. Receber aquela medalha de bronze no pódio foi uma das maiores emoções da minha vida.

Derrota do Minotauro

(para o Cain Velasquez):
Fiquei muito triste. Essa luta realmente era muito importante pro rodrigo manter-se em uma posição boa no ranking. Mas posso dizer que esta foi uma das lutas que ele mais treinou. ele estava melhor do que contra o Couture. Mas o Rodrigo é um grande campeão e a gente sabe que ele sempre consegue dar a volta por cima. O Rodrigo é o cara que mais me inspira na luta. Ele é um atleta exemplar, que treina com vontade e é o meu maior incentivador nas artes marciais. Essa derrota me deixou meio desanimado, mas já conversamos e ele falou pra seguir em frente, porque é coisa de luta, e tenho que esquecer e correr atrás do meu próximo adversário.

Dois Nogueiras Campeões

Aí seria demais (risos). O velho ia morrer do coração e de orgulho. O quanto antes vier a oportunidade, melhor, estou com uma certa idade.

Mas sou realista, acabei de fazer a minha primeira luta no UFC… Mas para eu me realizar na carreira, me aposentar, eu precisava ser campeão.

Mas é um longo caminho a percorrer, não vou me iludir achando que porque fiz uma boa luta no UFC, nocauteei, vou lutar pelo cinturão. Não tenho essa pretensão, mas estou num bom caminho.

Sinto que essa vitória me motivou bastante, venho de quatro nocautes seguidos, estou embalado e tudo tem sua hora e a minha vai chegar.

Minotouro enfrentando Luis Banha

Guerra dos Games

Guerra dos Games

Se você é visitante da Street Fighter RPG Brasil já a algum tempo deve lembrar-se do fanfic Crossover Nostalgia. Pois é, o nome foi dado por mim pois o autor não tinha especificado um ainda. Recentemente, acompanhando o andamento do projeto, notei que o autor finalmente se decidiu quanto ao nome, ou seja, o Crossover Nostalgia tornou-se o Guerra dos Games, e além da troca de nome, o autor nos presenteou com uma belíssima capa e o início da segunda temporada da trama, que você confere abaixo.


Guerra dos Games é uma História em Quadrinhos feita por um camarada do Orkut chamado HQ Games. Ele é responsável pelo roteiro, desenho e cores da obra, que apesar do amadorismo e simplicidade, é muito divertida.

O que aconteceria se os maiores vilões dos games se juntassem contra os mocinhos? Pior ainda, se eles conseguissem além de formar uma grande aliança do mal, dominar a mente de alguns heróis também? Em Guerra dos Games, vilões de Street Fighter, Mortal Kombat, Sonic, Pac-Man e outros se juntaram para pôr um fim de uma vez por todas em heróis como Ryu, Mario, Allejo, Haggar e Alex Kidd em uma trama sensacional. Regularmente HQ Games posta novos episódio e recentemente encerrou a primeira temporada, que está toda compilada no volume 1. De tempos em tempos este post será atualizado com os links para download dos novos episódios da segunda temporada.

Para baixar a primeira temporada completa clique aqui (10MB).

Para baixar o Episódio 06, primeiro capítulo da segunda temporada, clique aqui.

Superman contra a Shadow Law

Superman contra a Shadow Law

“A ocasião em que o Homem de Aço encontrou os mais fortes lutadores da Terra”

Luiz Fabrício "Goldfield" Oliveira nos presenteia com mais uma obra de ficção feita por fãs (fanfic), desta vez o crossover entre Superman e Street Fighter. Para quem não conhece o trabalho de Goldfield, ele é autor dos igualmente inusitados Street Poems, poemas de Street Fighters e de Resident Evil – Experimento X, um crossover entre RE e Street Fighter.

Em Superman contra a Shadow Law, temos uma história paralela aos mundos de Superman e Street Fighter, onde a Lexcorp vendeu boa parte de suas ações para o tirânico M. Bison em troca de uma parceria para eliminar, deuma vez por todas, o maior inimigo de Lex Luthor, o Superman! Será que o homem de aço será páreo para os lutadores mais fortes da Terra? Leia e confira!

Para fazer download do fanfic, clique com o botão direito do mouse sobre a imagem e escolha "Salvar como…"

O Tao do Street Fighting

Faça seu trabalho, então volte atrás.
O único caminho para a serenidade.

– Lao Tsé, “Tao Te Ching”

A vida é um conflito, e lutar é por vezes a solução natural do
conflito. Toda cultura tem histórias de guerreiros que transformaram
meros combates em um modo de vida: os Espartanos
da Grécia, os Monges Shaolin da China, os Samurais do Japão,
e as Amazonas da Scythia. Todos abraçaram os combates como
uma forma de se viver.

Fazendo isso, eles se tornaram altamente reverenciados
dentro de suas culturas – não somente por suas habilidades de
combate, mas também por suas filosofias marciais, que eles
utilizaram nos campos de batalha e na vida. Qualquer um pode
brigar, mas um verdadeiro lutador pode ver além do próximo
soco ou chute para o final iminente.

O Street Fighter, como o monge Shaolin ou guerreiro samurai,
não luta simplesmente pela glória do combate, mas pelo
seu auto-aperfeiçoamento e conhecimento.

Hoje em dia, entretanto, todo Street Fighter tem sua própria
razão para escolher o Street Fighting como seu modo de viver.
Alguns Street Fighters tem modelos exemplares – senseis, sifus, técnicos, ou outros mentores – que os inspiram para
seguir o caminho de um lutador honrado. Lutadores honrados
são aqueles que lutam de modo limpo e justo. Embora o conhecimento
do uso de armas seja comum, lutadores honrados
evitam usá-las; os corpos dos Street Fighters são as melhores
armas; enquanto que estas armas são usadas como muletas
por lutadores baixos.

Um lutador honrado tem uma razão para cada luta que entra.
Não há razão para conflitos sem sentido: lutar sem razão
é o domínio dos loucos e valentões. Um bom lutador deve resistir
à tentação de fazer de cada conflito uma batalha. Isto é
como os lutadores honrados percebem a si mesmo no mundo
que fazem parte, assimilando toda situação como um conflito
em potencial enquanto raramente tornam todo conflito em
uma luta: a sabedoria de saber quando lutar é tão importante
quanto saber quando cair fora.

Um lutador cujo espírito é frágil possui uma força física frágil
como a casca de um ovo. Enquanto há grande prazer em participar
da tradição do combate e saborear a glória da vitória,
ele pode ser drenado em um espírito de luta se elas se tornarem
rotineiras, previsíveis ou sem sentido. Na vida, assim
como no Street Fighting, um lutador deve saber quando confrontar e quando recuar. Ninguém nunca realmente sabe
como uma luta irá terminar quando ela começa – e o Street
Fighter filósofo afirma que é como a vida, a melhor forma de
lutar é deixar ela ir como deve ser, ao mesmo tempo trabalhála
para proveito próprio.

Treinamento em artes marciais prepara um lutador para
mais do que mero combate: um lutador honrado usa o treinamento
para aprimorar não somente seu corpo físico, mas
sua mente e espírito também. Um lutador aprende como
aplicar vários chutes, socos e bloqueios para uma situação
de combate, o lutador também deve mostrar perseverança e
bom julgamento. Indivíduos desonrados, na vida e no Street
Fighting, são aqueles que recorrem a táticas desonrosas como
um método de conseguir, o que prova ser uma
vitória falsa – dentro e fora do ringue – acreditando
que a vitória é mais importante do que a luta por
si mesma.

Treinamento apropriado é essencial para o Street
Fighting. Atividades de resistência, como corrida
e saltos, são importantes para aumentar o vigor;
treinamento com pesos aprimora a força; perícias
de reflexos são testadas através de exercícios de
velocidade, como uma pessoa com o mais rápido
chute ou soco é por vezes o vencedor. Na vida, somente
há uma forma de aprender a ser resistente,
a ser forte e como responder rapidamente. Mas
ultimamente o mais alto treinamento ambos nas
artes marciais e na vida é a meditação, que ajuda
a compreender a claridade mental necessária para
seguir nossos instintos.

Muitos Street Fighters tem medo na primeira
vez que dão um passo dentro do ringue e encaram
seu oponente, mas isto é natural e uma parte do
processo de crescimento. Encarar o medo é um
dos maiores desafios que qualquer lutador pode
enfrentar; aprender a tornar este medo em uma
energia positiva é a lição mais difícil que um lutador
pode dominar. Entretanto, isto é essencial
para confrontar um oponente diretamente se um
lutador quer uma chance de vitória. Como Morihei
Ueshiba diz em “A Arte da Paz”: “Quando um oponente
vem para frente, mova-se e saude-o; se ele
voltar atrás, envie-o nesta direção”.

Um Street Fighter deve sempre respeitar seu
oponente. Olhar um oponente diretamente nos olhos:
isto irá lhe dizer mais do que tentar observar
os pés ou as mãos. Tentar antecipar um oponente
com um forte bloqueio e retornar é uma excelente
maneira de despir o outro lutador. Um bom lutador
nunca subestima seu oponente ou a si mesmo. Um
bom lutador pode tentar aprender mais do que o
possível sobre um oponente, conhecer um inimigo
é tão valioso quanto conhecer a si mesmo. Street
Fighting permite aos participantes aumentar sua
confiança e habilidades e enfrentar oponentes
com várias técnicas e táticas. A “arena” é por vezes
desconhecida e inesperada, mas ser um Street
Fighter é sempre estar pronto para a batalha e requer
somente um raciocínio rápido, habilidades
físicas e muita coragem. Sempre quando a batalha
é uma das vontades, a mesma lição se aplica.

Lutar é uma disciplina que poucos dominam completamente.
Ela requer coragem, honestidade, sabedoria, perícia e força.
Vida e o Street Fighting estão envolvidas pelo simples fato
de que para vencer exige preparação. Aqueles que desafiam
a si mesmos apresentam mais desafio para os outros do que
aqueles que não aprendem e evoluem.

Cabe ao indivíduo decidir está preparado; somente quando
encontrar a luta de sua vida saberá concerteza se está pronto.

Conto originalmente apresentado em inglês no suplemento importado Contenders.

As Tríades e Tongs Chinesas

Tríades Chinesas

Depois da destruição do templo de Shaolin, e como a dinastia de Manchu desarraigou outras instituições chinesas, os artistas marciais distribuíram-se pela zona rural. Alguns ensinaram suas habilidades para viver, enquanto outros viraram bandidos. Escolas se tornaram centros de dissensão onde propaganda anti-imperial era difundida. Eles também se tornaram parte das comunidades locais, servindo como forças de polícia voluntária, centros de caridade e, em alguns casos, como os militares atuais da cidade ou os governos de aldeia.

Alguns monges Shaolin, eventualmente, ajudaram a fundar as Tríades que eram notórias sociedades secretas. No princípio, elas estavam entre as organizações mais benéficas deste tipo e ajudavam aldeias pequenas a se levantar contra governantes corruptos e provia organização e coesão para comunidades locais, também trabalhavam para causas caridosas. De alguns modos, as sociedades secretas reavivaram o espírito do herói Kung Fu mítico, como o defensor do pobre e indefeso. Muitos deles se concentraram em atividades revolucionárias. Podemos atribuir a tais sociedades, quase todas as revoluções contra a dinastia Manchu.

Durante um século depois da destruição do templo de Shaolin, uma sociedade secreta eventualmente iniciaria o fim da dinastia Manchu, embora inconscientemente. O Ho Chan, ou “Punho Correto e Harmonioso,” para história ficaram conhecidos como os “Boxers”, assim chamados pelos europeus por causa do seu símbolo, um punho, e por suas práticas de artes marciais, que os ocidentais consideravam um análogo asiático do boxe.

Entre os Boxers havia a convicção enganosa de que as perícias de artes marciais deles os tornava invulneráveis para armas modernas, muito acreditavam nisto, como os Dançarinos Ameríndios Fantasmas. Originalmente uma organização anti-Manchu, os Boxers logo se tornaram um grupo com sentimentos anti-estrangeiros. Isto é compreensível, considerando o que as ações Ocidentais fizeram contra a China naquele tempo: muitas nações européias estabeleceram tratados de negociação com a China à força, sempre destruindo instalações chinesas quando o governo imperial tentava trapacear nos tratados de ópio (ópio era legalizado na Europa do século XIX). Os Boxers assassinaram um incontável número de Europeus e Chineses cristãos com a autorização (ou falta de ação contrária) das autoridades chinesas, que tinham pouco amor pelos estrangeiros. Incentivados, os Boxers lançaram um ataque massivo contra as delegações européias em Pequim a 17 de Junho de 1900. Depois de dois meses, os europeus capturados foram resgatados pelas tropas ocidentais, incluindo um contigente Americano. Os Boxers, a despeito do que achavam acerca de suas habilidades, não foram páreo para o poder de fogo moderno. Pouco tempo depois, o governo imperial entrou em colapso e surgiu a República Chinesa.

Neste período de caos e controvérsia, a maioria das Tríades e sociedades secretas se transformaram em gangues de valentões lutando uns contra os outros para controle de seu território. Uma vez que lutar era o que melhor se sabia fazer nestas sociedades, a luta tornou-se o único meio de vida. Muitos voltaram-se para o crime, como traficantes de drogas e cafetões, outros meios de ganhar a vida. Estes grupos criminosos existem até hoje em Taiwan, Hong Kong e muitas Chinatowns pelo mundo. Eles são chamados de “Tongs” (embora a palavra também pode se referir a sociedades fraternais inocentes). Muitos ainda usam o Kung Fu, mas agora também equipados com sub-metralhadoras e rifles de assalto.

Código de Honra Tong

Este é um código de gangues criminosas e sociedades secretas. Um membro de uma Tong não pode trair um membro da irmandade, ou lhe negar ajuda. Ele nunca deve falar sobre sua sociedade à estrangeiros, ou revelar quaisquer nomes. A penalidade por quebrar qualquer regra é a morte, usualmente implementada de maneiras altamente criativas.

Usando as Tríades em suas Crônicas

Atualmente as Tríades estão intimamente ligadas ao crime organizado da sociedade chinesa. São gangues altamente estruturadas e com grande poder de fogo. Seus membros, sempre de descendência chinesa (estrangeiros não são aceitos) controlam toda e qualquer atividade criminosa dentro da China, muitas vezes agindo de forma a ligarem-se à organizações estrangeiras, normalmente como fornecedores de ópio.

Em Street Fighter RPG, as Tríades são sociedades secretas, em sua maioria, à serviço da Shadaloo. Bison lucra muito com o crime chinês e principalmente com os torneios ilegais chineses, onde Street Fighters de todo o mundo competem, sem saber que estão financiando o crime organizado. Existe uma Tríade muito famosa em Hong Kong, liderada pessoalmente por Xianyu e Janyu, duas Dolls a serviço de Bison. Narradores que queriam incluir as Tríades em suas crônicas não vão encontrar muito trabalho, uma vez que as Tríades são ilegais, assim como o circuito Street Fighter. Agentes da Interpol ou outra força-tarefa anti-Shadaloo, como o Delta Red, podem ser incubidos de revelar qual a ligação entre a Shadaloo e as Tríades, ou até mesmo ter de acabar com uma delas (indicada a grupos de Posto alto).

Tongs Chinesas

Erica Awano

Erica Awano

Érica Awano é uma desenhista de histórias em quadrinhos no estilo mangá (japonês). De descendência japonesa, Erica começou sua carreira em 1996 desenhando o mangá de Megaman. Depois desse primeiro contato profissional, trabalhou na mini-série Street Fighter Zero 3 (Trama Editorial) ao lado de Marcelo Cassaro, o que rendeu muitos frutos posteriores, como ilustrações para o Manual 3D&T e o livro de Tormenta, culminando finalmente na sua obra máxima, Holy Avenger, que, sem sombra de dúvida, lhe trouxe a notoriedade que tem atualmente dentro do mercado de quadrinhos nacionais. Não é por falta de insistência, mas Erica não respondeu nossa entrevista. De qualquer forma, encontramos uma entrevista pouco conhecida dela no site Correio Braziliense, cujo conteúdo é reproduzido abaixo e data de 17 de fevereiro de 2010.

*******************************

Quando e como começou o seu interesse por histórias em quadrinhos? Nesta época, o que você lia?

Eu costumava "ler" quadrinhos japoneses quando visitava meus avós no interior. Havia grande quantidade desses volumes pois era hábito entre os imigrantes japoneses trazer essas publicações para que os filhos mantivessem contato com a língua japonesa. Meus avós maternos tiveram dez filhos, nove mulheres e um homem, então os quadrinhos, ou mangás, eram de histórias para garotas. Acho que comecei com esse interesse por volta dos sete ou oito anos e não conseguia ler as histórias. Isso só veio bem mais tarde quando aprendi a decifrar os ideogramas. Até lá, o que eu fazia era olhar as imagens e imaginar o que acontecia na trama.

Sempre pensou em se tornar desenhista de quadrinhos?

Sempre quis trabalhar com alguma coisa relacionada a desenhos e a literatura. Gostava muito de ler e herdei uma afinidade com desenhos que, me parece, existia desde meus avós. Meu avô desenhava flores e paisagens muito bem e minha avó gostava de fazer figuras humanas.

Capa de SF Zero 3 desenhada por Erica Awano

Quando e como começou a sua trajetória nos quadrinhos?

Por acaso havia essa febre em cima dos desenhos animados japoneses. Por conta disso, publicações específicas sobre quadrinhos e animações japonesas começaram a aparecer nas bancas. Eu escrevi uma carta para uma dessas revistas — Animax — com uma ilustraçãozinha e, em dois dias, o editor chefe da revista, o Sérgio Peixoto, ligou para a minha casa após encontrar meu telefone na lista. Ele também era o presidente de um dos únicos clubes sobre mangás e animes (animações japonesas) em São Paulo e reunia todo o fim de semana não só jovens ávidos pelas últimas novidades em animação — ele fazia exibições de vídeo na Gibiteca Henfil — como também um grupo de desenhistas, então amadores, para trocarem experiências e dicas de desenho. Por conta da exposição que a revista oferecia, logo o Peixoto começou a sondar e ser sondado para a publicação de mais do que revistas informativas, era a vez de fazer quadrinhos. Como ele tinha essas pessoas talentosas que por acaso desenhavam nesse estilo, não foi difícil uma coisa puxar a outra. A minha primeira aparição em banca foi na revista Megaman, baseada num jogo de videogame. Mas eu só assumi a idéia de fazer quadrinhos profissionalmente a partir da revista Street Fighter Zero, projeto que foi roteirizado e editado pelo Marcelo Cassaro, editor da então Dragão Brasil e futuro parceiro na Holy Avenger, que se tornou meu trabalho mais conhecido.

E quando você percebeu que poderia viver de sua produção de HQs? E por falar nisso, qual a sua formação acadêmica?

Sinceramente, eu não tenho certeza sobre isso ainda, quando eu comecei a fazer quadrinhos a sério eu só estava precisando fazer algo pra mim mesma. Parece que ser egoísta às vezes dá certo… Eu sou formada em Letras pela USP.

Saber desenhar e saber fazer quadrinhos são coisas diferentes. Como foi o seu aprendizado para fazer quadrinhos?

Eu não sei, tenho certeza que parte disso veio das minhas visitas ao acervo de mangás na casa da minha avó. Quando você realmente se interessa por algum assunto é muito fácil acabar absorvendo muito mais do que a informação imediata, a história em si, mas também o estilo e a estrutura da narrativa. Claro, não é algo consciente, mas a faculdade me deu ferramentas para visitar essas memórias e finalmente colocá-las em ordem de alguma forma. O contato com profissionais competentes também ajuda. O Marcelo Cassaro, roteirista da Holy Avenger, é um profissional premiado, apesar de nossas formações diferentes — ele cresceu lendo comics e eu mangás — eu posso dizer sem medo de errar que eu aprendi muita coisa a respeito de quadrinhos como um todo através dele.

Muitas meninas não lêem quadrinhos porque as temáticas das HQs são, geralmente, masculinas — em especial as HQs americanas. Você acredita que isso justifica o número reduzido de meninas leitoras e, consequentemente, produzindo HQs?

Acredito que esse fato justifica grande parte da questão sim. Eu sou uma prova disso — consigo contar nos dedos das mãos quantos títulos de quadrinhos americanos já li. Mas acho que também tem o fato de não haver interesse em mostrar opções para esse público feminino. Eu vejo as propagandas dentro dos mangás — que abriram as portas das comic stores para as garotas — e não vejo nenhuma que aproveite o perfil do público leitor, quero dizer, qual a vantagem de colocar um anúncio de um quadrinho cheio de tios bombados e tias peitudas num quadrinho para garotas? Não quero dizer que garotas não curtiram histórias de super heróis, mas eu não consigo ver como uma garota possa enxergar uma boa história só olhando para as capas dessas edições.

Holy Avenger - A obra máxima de Erica Awano

Você acredita que o mangá ajudou a trazer mais meninas para os quadrinhos? Por que?

Com certeza. Os mangás são produções altamente segmentadas, eles têm um público específico, não é como no ocidente — infantil, juvenil e adulto. Há mangás para adolescentes de ambos os sexos, para jovens adultos, donas de casa, gays, empresários, esportistas, sobre tudo que é tipo de assunto e abordado segundo o interesse do público alvo. Também tem a vantagem de que não é preciso ler 60 anos de quadrinhos para saber o que está acontecendo na história. Quando um quadrinho japonês acaba, ele acaba.

E no caso do Brasil, ainda tem um aspecto curioso que é o fato de que a maioria dos desenhistas de mangá que atuam profissionalmente são mulheres. Na época em que eu comecei eram todas mulheres. Atualmente eu sei que existem alguns rapazes, mas é um panorama bem diferente do que é encontrado nos quadrinhos americanos. Talvez por isso não seja incomum achar garotas nessas feiras de fanzines e em eventos de anime e mangá que queiram trabalhar como desenhistas.

Quem você diria que são as suas principais influências tanto no mangá quanto em outros tipos de quadrinhos?

Eu cresci lendo mangás, só li meu primeiro quadrinho americano na faculdade e depois de muita, muita relutância, a saber, foi o Sandman, do Neil Gaiman. Quanto ao meu gosto, eu gosto de histórias que falam sobre histórias, lendas, que misturam o folclore com eventos cotidianos. Não tem muitos títulos assim hoje em dia, mas eu costumava ler XXX Holic e Mushishi, os dois misturam aventuras fantásticas com elementos do folclore japonês. Sobre influências, não sei se existe alguma em especial, eu sou especialmente preguiçosa no que se refere a decifrar o estilo de outros artistas, acho que ao invés de gastar meu tempo tentando ser outra pessoa, é mais fácil tentar ser eu mesma.

Qual o seu conselho para as meninas que querem começar a fazer quadrinhos? E para aquelas que ainda não lêem quadrinhos?

Bom, se é com finalidade recreativa, fanzines, eles são um excelente exercício. Eles proporcionam não só a parte do fazer como também a parte do sujeitar-se ao julgamento dos outros. Se o interesse é profissional, realmente atuar na área, seria bastante salutar procurar a opinião de um profissional. Agora com os Tweeters e Orkuts da vida é muito fácil mostrar seu portfólio. Eu não sou uma pessoa que levanta a bandeira do "leia quadrinhos", acho que não dá pra forçar alguém a ler, ou a gostar de ler, acho que a única coisa que eu acho importante no que se refere ao assunto é que, mesmo que você nunca leia um quadrinho na sua vida, isso não quer dizer que sejam ruins ou inferiores. Claro, tem muita coisa que poderia muito bem nunca ter sido publicada, mas tem muitos livros nessas condições também, então, mantenha sempre a mente aberta. Os quadrinhos podem ser uma porta de entrada para um mundo muito maior.

Alice - Trabalho Atual

Você está trabalhando atualmente na série Alice. Como chegou a este título? O que está achando a experiência?

Eu trabalho para uma agenciadora chamada Glasshouse Graphics. Um dia eu recebi uma proposta através dela para fazer um teste para Alice e embora eu achasse que não seria escolhida — já que a adaptação é fiel ao livro, portanto não deveria estar ligada a mangá e eu só trabalho nesse estilo — acabei sendo chamada. Desenhar Alice é muito divertido, pelo menos eu acho. Tem muita coisa ali que eu nunca desenhei antes e outras tantas que eu gosto de desenhar. Pra mim, fazer esse quadrinho é um presente! Os livros são fantásticos, a adaptação feita pelo casal Leah Moore e John Reppion é muito bem feita e cheia de detalhes engraçados nem sempre ligados ao quadrinho em si — como os momentos em que o texto para a descrição de uma cena para uma observação ou uma opinião pessoal dos escritores, quase como se estivessem escrevendo uma carta.

Qual tem sido o feedback para o seu trabalho?

Até onde eu sei, a repercussão sobre Alice está sendo boa lá fora. Não sei o que está sendo dito por aqui já que é uma publicação estrangeira, mas de vez em quando alguém me manda uma mensagem me dando os parabéns e para dizer que esperam ansiosos pela publicação do título no Brasil.

E quais serão os seus próximos trabalhos?

Ah, isso só vou saber quando terminar Alice, o que deve acontecer em meados de março.

O Caminho das Lendas

O Caminho das Lendas era o fanfic oficial do extinto fanzine Orgulho da Arte (edições #17 a #19), escrito por Carlos "Wind Yang" Dalben há muitos anos atrás. Com o encerramento do fanzine que já estava esporádico há tempos, o fanfic nunca pôde ser concluído, embora fosse muito bem escrito e envolvente. Abaixo seguem compiladas todas as partes publicadas, infelizmente, sem um final.

Prólogo: Um Breve Começo!

Osaka, Janeiro de 1983

Numa praia em Osaka, um corpo é encontrado por Jue, exímio Sensei de Karatê Shotokan. Ele leva o corpo do garoto até sua casa no alto de uma montanha. Passaram-se três dias até o garoto despertar:

– Como está se sentindo jovem? –  Sensei Jue parecia bastante preocupado e contente ao mesmo tempo.
– Não me lembro de nada!!! Onde estou? Que lugar é este? – O garoto estava bem assustado, parecia que tinha sido atropelado por um trem!
– Quanto onde está, fique despreocupado pois está seguro. Meu nome é Jue, consegue se lembrar do seu?
– Meu nome… Nike! Nike Sawada – Respondeu o garoto. 
– Consegue se lembrar até do sobrenome! Pelo jeito ainda tem salvação!!

Sensei Jue tinha pensado muito em ter um discípulo nestes últimos anos. E a chegada do garoto fez ele concretizar a idéia:

– Nike!! Venha aqui um pouco!
– Sim senhor!!
– Diga-me Nike, gostaria de aprender artes marciais?
– Senhor, lembro-me de poucas coisa, quase nenhuma, mas uma coisa que lembro é que sempre gostei de artes marciais. Se o senhor me ensinasse, aprenderia com muito contento! – Nike estava muito feliz.
– Que assim seja!!! Treinarei você na arte do Karatê Shotokan!! E você se tornará grande!!!

E assim o treino foi seguindo…

Triângulo das Bermudas, Fevereiro de 1983

– Paaaaiiiiiii!!!!!!! – O jovem garoto gritava inconscientemente.
– Filho, chegou a hora de seu pai partir. Quero que você fique na ilha para defende-la de um grande mal que vai querer toma-la!! Também espero que você domine o estilo Shang Tsung, pois assim talvez você consiga vencer o grande mal. Adeus meu filho!!
– Não pai! Ainda há muito que aprender! Que mal é esse? Não vá!!!!!

E assim o jovem Oten ficou sozinho na ilha de seu pai, na sua ilha, junto de seus criados. Oten sempre soube que tinha alguma coisa errada com seu pai, alguma coisa que deixava o jovem transtornado. Porém, como seu pai mesmo disse, estava na hora de dominar seu estilo…

Coréia do Sul, 30 de Agosto de 1983

– Parabéns meu filho!!!!
– Obrigado pai! – Andy acabara de completar 13 anos – E o meu presente?!
– Já vou te dar, mas antes preciso conversar com você e tem que ser agora.
– Sim senhor!!

Ambos foram para a sacada da mansão no campo da família Hoon.

 – Andy, sei que você anda treinando Tae Kwon Do com seu tio. Você também sabe que sei Kung Fu e que trabalho para a Polícia chinesa. – A expressão em seu rosto mudou
 – Sei de tudo isso pai, só não entendo o porque de todo esse papo agora!? – Ele estava ficando preocupado.
 – Vou partir para uma missão, não vou mentir, você já é homem e tem que acordar. Poderei não voltar mais para a casa. Por isso vou ensina-lo o meu maior tesouro: o Tienkyaku.
 – O que vem a ser isso pai? E que papo é esse de não voltar para a casa?
 – Não temos tempo para isso, vamos começar o treinamento agora!!
 – Agora!!! E a festa?
 – Eles que fiquem sem o aniversariante.

O Tienkyaku era um chute em que o lutador subia aos ares com o pé em chamas. Conhecido popularmente como Dragon Kick. Um mês depois chegou uma carta à mãe de Andy dizendo que seu marido havia perecido em um lugar chamado Mriganka. Andy ao saber chorou copiosamente.

– Vou vingar você pai!!! Não importa o que tenha o que fazer!!! Vou dominar o Tienkyaku e o Tae Kwon Do!!!

O destino dos jovens estava começando a ser trilhado…

Capitulo I: Iniciam-se as Batalhas

Osaka, Julho de 1987

– Nike!! Venha ver isso!!!
– Ver o que Sensei? – Nike estava terminando o treino do dia.
– Venha ver o discípulo de Gouken, venha ver o Karatê Shotokan em ação!!

Assistindo a luta por um canal pirata eles conseguiram ver a luta final do Torneio do Grande Mestre no qual Ryu, uma revelação do torneio enfrenta Sagat, Tri-Campeão. Nike ficou impressionado com a técnica de Ryu, e ficou mais ainda quando viu o famoso Dragon Punch que Ryu utilizou contra Sagat, rasgando o peito do tailandês.

– Sensei Jue…
– Sei, se interessou no torneio… Primeiro precisa dominar o Hadouken para depois pensar que pode vencer.
– Sim Sensei, vou melhorar bastante.

Os treinos foram seguindo, e Nike havia crescido bastante, tanto física como mentalmente. Em pouco menos que 3 anos já conseguia dominar o Hadouken. No dia seguinte, Sensei Jue chamou Nike para uma conversa:

– Nike, você cresceu muito nestes anos,  dominou rápido o maior segredo de minha arte. Mas está na hora de evoluir sozinho de criar a sua arte, o seu estilo Shotokan. Haverá um torneio no Triângulo das Bermudas, um barco o estará esperando na praia. Vá meu discípulo, e se tiver qualquer problema venha me procurar.
– Sim Sensei, e até breve… – Nike mal terminou de falar e já tinha virado de costas e indo à direção de seu destino.

Triangulo das Bermudas

– Tem certeza sobre esse torneio? – perguntou o mordomo.
– Lógico!!! – respondeu Oten – Dominei meu estilo, agora tenho que testa-lo. E nada melhor que o torneio Street Fighter!!!
– Sim senhor…

Logo após o sumiço de seu pai, Oten treinou intensamente para dominar o estilo Shang Tsung. Sabia que era bom, e também tinha dominado o dom das chamas, Oten era um elemental do fogo, mas por um motivo que ele desconhecia, suas chamas eram negras como as trevas.

– Vou receber diversos lutadores em minha ilha e quero ver se há alguém páreo pra mim nessa joça.

 Oceano Atlântico, próximo ao Triangulo das Bermudas

– Tem certeza do que você está fazendo Andy? – Perguntava Julia sua atual namorada.
– Lógico gata! Vou entrar nesse tal circuito Street Fighter, vencer e achar o desgraçado que matou meu pai!! – por mais que Andy tentasse disfarçar ele sentia muito um desejo de vingança, era esse o motivo dele não parar com namorada nenhuma – E sem contar que esse é o meu passaporte para Mriganka.
– Você é quem sabe, eu só não vejo a hora disso acabar.

A uns poucos metros dali uma confusão estava sendo armada:

– O seu japa!!!! Num to gostando do jeito que tu ta me olhando!!! Cê ta querendo arrumar encrenca é?!?!
– Não tenho a intenção de brigar desnecessariamente, se quiser lutar que espere até o torneio! – respondeu Nike na mais perfeita calma – Uma luta aqui seria totalmente inútil.
– Não quero nem saber seu japa, cê vai ter que lutar comigo e agora!!!

No momento em que o grandalhão iria desferir um soco em Nike, uma rajada de ar o jogou no chão, um feito percebido apenas por Nike. Olhando em volta viu apenas um rapaz de cabelos acinzentados, era Andy fazendo um sinal de positivo.

– Não sei que é você mas obrigado! Não seria bom mostrar minhas habilidades agora! – Nike tinha ido cumprimentar Andy.
– Ah! Num esquenta não! Conheço bem o tipo! Prazer sou Andy Hoon, e essa é minha namorada Julia.
– Prazer! Sou Nike Sawada. Também está indo ao torneio?
– Sim! Quem sabe não nos encontramos numa luta por lá!
– É! Tomara que na final!

Os três se afastaram. Andy e Julia foram para o quarto e Nike foi nadar um pouco, sentia-se muito bem na água, nada mais natural para um elemental da água. Já no quarto:

– Eu não to entendendo onde você quer chegar com tudo isso Julia!?
– Conheço você Andy, sou sua amiga há tanto tempo. Achei que você tinha mudado mas é tudo a mesma coisa. Quer dormir comigo apenas para me dispensar depois, como fez com todas as outras!!!
– Você ta achando que eu sou o que?! Terminei com as outras porque não deu certo e não só porque dormi com elas!!
– Não sei se posso confiar em você? – Julia começou a lacrimejar.
– Se não confia em mim, não vejo o porque continuarmos juntos. – ele estava ficando transtornado com tudo isso. Realmente não entendia o motivo dessa discussão besta. Amava realmente Julia e queria ficar com ela para sempre, mas se ela não confiava nele, não há motivos para continuarem namorando. – E então o que decide Julia?

Julia parou, pensou durante cinco minutos:

– Desculpe amor. Eu fui uma tonta mesmo. É que eu fico tão insegura com você.
– Não precisa se preocupar. Eu estarei com você sempre. Sempre.

Quando o clima iria esquentar, ouviu-se ao longe:

– Terra à vista!!! Chegamos a ilha!!!

Parece que Andy não tem sorte mesmo…

Capítulo II: O Primeiro Torneio

Triangulo das Bermudas

O barco havia parado a mais de duzentos metros da arena onde seria realizado o torneio. Por ser um terreno montanhoso demoraram meia hora para se chegar até lá. A arena parecia um enorme coliseu armado para um grande duelo de titãs. Quando já estavam lá dentro, um homem vestido como um mordomo subiu no ringue e pôs-se a falar:

– Bem vindos ao Triangulo das Bermudas senhoras e senhores. Espero que entendam o valor desse privilegio. Com a permissão dos senhores passo a vós para o idealizador desse torneio. Uma salva de palmas para o senhor Oten Cyspen!!!
– Boa noite a todos!! Espero que estejam todos prontos para este torneio. Sei que é o primeiro torneio de muitos de vocês. Pra ser sincero é o meu primeiro também. Faço questão que os combates sejam honrados, aqueles que demonstrarem desonra serão eliminados do torneio. No mais espero que façam boas lutas e boa sorte a todos!

As chaves foram feitas. Andy lutaria com um lutador chamado Fen, lutador de Wu Shu, Cold lutaria com Kevin, um Kickboxer, e Nike lutaria com um Wrestler, aquele mesmo da confusão passada, seu nome era John.

– Primeira luta!!! Andy Hoon VS Fen Wo!!!
– Espero que façamos uma boa luta Fen! – Andy estava bastante animado, sua primeira luta Street Fighter!
– Desejo sorte pra você também Andy!!
– LUTEM!!!

Assim que juiz autorizou, eles ficaram se olhando por muito tempo. Um estudando o outro. Mas foi Andy que deu o primeiro passo:

Dankuukyaku!!!

Os três chutes pegaram em cheio o rosto de Fen que não se levantou mais. A torcida ficou calada, ou Fen era muito fraco ou Andy era forte demais.

– Incrível!!! Com apenas um golpe Andy vence o adversário! Andy Hoon é o vencedor!

Enquanto Andy descia foi abraçado por Julia, e cumprimentado por Oten.

– Meus parabéns. Demonstrou muita técnica. Mas não pense que isso é suficiente para me derrotar.
– Eu sei. Mas sei que não perderei. – Andy estava muito confiante.
 – Assista e chore! – Oten parecia querer provoca-lo, mas Andy apenas de divertia com tudo isso.

Na arena:

– Ha!!! Então você que organizou essa porcaria aqui? Nunca vi tanta lesma num lugar só! E você também não é muita coisa não!
– Se não está certo de si, não tem porque permanecer aqui. Pode ir embora se quiser, mas só pode ir nadando.
– Mesmo sendo um porcaria ainda vale um pouco de renome.
– Estão prontos? – perguntou o juiz, já cansado de tanto falatório.
– Sim! – responderam em uma única vós.
– PODEM COMEÇAR!!!

Kevin partiu pra cima com um Double Hit Kick. Oten defendeu e ficou observando Kevin.

– Você vai fica a luta inteira aí parado!? – Kevin partiu com uma seqüência de socos e chutes todos defendidos por Oten.
– Só estou curtindo o seu desespero por não poder me acertar. Você é um mané mesmo!! – Oten ria da cara de seu adversário, parecia brincar com ele como um menino brinca com seu boneco.
– Você tá achando que isso aqui é brincadeira seu F!#$% da P#$%!!!
– Bom. Vamos terminar com essa brincadeira. Já estou ficando cansado!! – Oten começou a concentrar chamas em suas mãos. Chamas negras – Toma isto!! Fire Sempuken!!!!

Das mãos de Oten saíram rajadas de fogo que acertaram Kevin em cheio, finalizando o combate.

– E o vencedor é… Oten Cyspen!!!

Enquanto Oten descia, Nike subia na arena.

– Feche a boca japinha! Eu sei que foi impressionante! – Não daria pra saber de onde vem tanto ego.
– Humpf! – Nike parecia pouco ligar para a provocação.
– Próxima luta Nike Sawada contra John!!
– E então seu japa, pronto pra terminar com aquela briguinha?
– Ai, ai… Eu só queria saber por que o povo daqui gosta mais de falar do que de lutar, será que é pra espantar o medo?
– Você vai ver o que é ter medo!!! Aaaaahhhhhh!!! – John agarrou Nike antes que este pudesse esquivar-se, e subiu aos ares com seu Spinning Piler Driver. E logo depois afundou a cabeça de Nike no chão.
– Aaaaiiiii!!! – O golpe fez muito estrago em Nike.
– O quê vai fazer agora seu japa? Ficar com a cara no chão?

Nike ficou parado por alguns segundos, se movendo apenas para desviar dos socos e chutes de John.

– O que você tem de força, perde e muito em agilidade. A luta vai começar agora.

Nike partiu pra cima com um chute forte mas ao mesmo tempo preciso, imediatamente desferiu um soco na face de John. Por fim concentrou-se apenas por um instante.

– Isso termina agora! Hadouken!!!! – Uma onda de chi sai das mãos de Nike e certam John, nocauteando-o.
– E o vencedor é Nike Sawada!!!
– Grande luta Nike! Não sabia que manjava o Hadouken.- Andy tinha ido cumprimenta-lo.
– Obrigado Andy! Cheguei a achar que iria perder. Mas diga, como ficaram as lutas?
– Você vai enfrentar um tal de Felipe Rodrigues, ele é um capoeirista. E eu vou enfrentar aquele tal de Oten.
– Fica esperto Andy! Aquele cara é bom! Ele controla o chi muito bem, e parece que ele gosta de brincar com caras que não atacam de longe.
– Se liga Nike! Eu tenho muito mais o que mostrar! Bota uma fé que você vai ver!
– Tudo bem. Se é o que você diz, quem sou eu pra duvidar.
– Primeira luta da semi-final: Oten Cyspen VS Andy Hoon!!!

Capitulo III – A Verdadeira Batalha Começa

Triangulo das Bermudas, 23:30 hs.

Oten partiu pra cima como um lobo correndo para agarrar sua presa. O que ele não esperava era que essa presa não era tão fácil de capturar.

– Vou deixar as cerimônias para mais tarde Oten! Coma meu Dankuukyaku!!! –  Andy voou para cima de Oten com seus três chutes. Mas estes foram todos defendidos por Oten.
– É só isso o que tem para mostrar coreano? Já vi esse golpe antes, e nem o achei tão bom. Por enquanto contente-se com o meu… Fire Sempuken!!! – o golpe acertou Amdy em cheio.

Andy estava atordoado, mal conseguia raciocinar direito. Oten ao ver tal cena não pensou duas vezes para atacá-lo. A vaia da torcida foi unânime, eles estavam lá para ver um combate honrado, não uma demonstração de barbárie.

– S-só assim que consegue vencer… lutadorzinho de meia tigela! – Andy estava quase sendo derrotado, mas ainda tinha uma carta na manga. – Vamos seu bundão! Ataque-me se tiver coragem!
– Você fala demais para quem já está derrotado. Mas vou atender seu pedido. Prepare-se!!! Iiiiiiaaaaaaaa!!!!!
– Você caiu direitinho sua besta…  TIENKYAKU!!!! – Andy subiu aos céus como um dragão ardendo em chamas. Era o Dragon Kick, manobra aprendida com seu pai.

Nike ao ver a cena ficou surpreso: – Mas como? Que eu saiba, aquilo é manobra exclusiva do kung-fu?!

– E então, o seu bunda-mole, vai fica aí caído ou vai resolver lutar?
– Não sei como aprendeu o Dragon Kick e nem quero saber, mas a batalha está longe de acabar.

De repente uma voz estrondosa começou a repercutir na arena:

– É certo que a batalha vai começar agora caro Oten filho de Grend. Pois hoje é o dia em que me apossarei de sua ilha para sempre.-  o homem vestia um tipo de uniforme militar vermelho, uma capa preta como as trevas e no quepe um crânio partido com asas dourado. Sua forma física era grandiosa, maior e mais forte do que qualquer homem ali presente sonhou em ser.
– Tomar minhas terras!?!? Deve ser o tal de “grande mal” que meu pai me falava tanto. Mas quem diabos é você? – gritava Oten intensamente.
– Eu sou Bison o cabeça da Shadaloo! Viajei muito para chegar até aqui.
– Sha…da…loo? Shadaloo!!!! Maldito!! Você matou meu pai, desgraçado vai morrer!!! – com total insanidade, Andy correu em direção à Bison, mas foi jogado longe pelo Psycho Power do inimigo, sendo amparado por Nike.
– Soldados! Matem todos que estiverem na ilha!! Vamos esvaziar essa lixeira.

O soldados atiraram em todos os presentes, Andy, Nike e Oten estavam conseguindo fugir e acabar com uma boa parte dos soldados, até que de repente:

– Aaaahhhh!!!!! – O grito foi prontamente reconhecido por Andy, que ao olhar reconhece sua namorada sendo segura pelo pescoço por Bison.
– Essa ERA sua namorada, não Andy? É uma pena que uma coisa tão linda tenha que ter se perdido por causa de alguém tão estúpido… Você não se sente culpado garoto?

Andy sentiu uma raiva que nunca tinha sentido. Só não partiu pra cima de Bison por que foi seguro por Oten e Nike

– Bisoooonnn!!!! Você vai pagar pelo o que fez maldito!!!! Juro por tudo que é mais sagrado, eu vou vingar meu pai e Julia!!!!!

Os três partiram numa lancha que Oten possuía.

Sidney, Austrália, 3 dias depois.

Oten conseguiu pagar um hotel para os três ficarem enquanto recuperavam-se das feridas. Andy não saiu da cama desde que chegaram, o choque de ver Julia morta foi demais para ele. Nike tentava consola-lo, dizendo que não era sua culpa e que Julia tinha ido pra um lugar melhor, quando de repente:

– Pessoal, ‘ceis não vão acreditar… Vai acontecer um torneio em Nova Orleans daqui a uma semana – Oten não percebera que aquele momento não era para torneios.
– E daí…. Um torneio inútil não vai me ajudar em nada… – Andy falava como se o mundo tivesse acabado.
– Eu  acho que vai ajudar sim, principalmente pelo fato que ele está sendo promovido pela Shadal…
– O QUE???? – Andy nem deixou Oten terminar de falar – O que estamos esperando? Vamos pra lá agora!!!
– Pode deixar vou ligar para o aeroporto e providenciar as passagens. E talvez dê pra gente terminar nossa lutinha!!!
– Affff… Tu não sabe como eu me importo com isso… – disse Andy num tom sarcástico.
– Vocês dois não podem deixar esse papinho besta pra depois não? – Nike já estava cansado desse falatório – Afinal, temos uma viagem pra fazer!!!

A Filosofia do Budismo

Imagem de Buda

O Budismo iniciou-se na India com os ensinamentos da figura historica de Sidharta Gautama (Buda), que morreu em 480 A.C. (o mesmo ano que Lao Tzu morreu). Durante os séculos seguintes, a filosofia que ele orou se tornou uma religião e esparramou-se para China, então para a Coréia, e finalmente para o Japão. O Budismo vê a vida de cada ser vivente como um emaranhado nas cinco paixões: furia, alegria, ódio, desejo e pesar. Seu proposito é livrar o espírito dos três grandes pecados da ignorância, cobiça e paixão. Isto permitirá a este ser iluminado, entrar em Nirvana, um estado de liberdade de paixão e desapego as ilusões do mundo material.

Um espírito ignorante é sentenciado a reencarnar e viver toda uma vida novamente. Dependendo de sua vida, a pessoa pode reencarnar como um homem ou animal, ou até mesmo vai para os Infernos budistas e outros locais menos amigaveis de existência. O karma dos espiritos das vidas prévias influenciarão na vida atual dele. Problemas de vidas passadas podem voltar e afetar a pessoa; assim, algumas pessoas se sentem atraídas por alguém misteriosamente ou sentem uma antipatia profunda para outra pessoa – eles tiveram algum problema com elas no passado. A disciplina especial do Budismo é o Ch'an, ou Budismo Zen.

Fundado na China pelo clérigo Bodhidharma, Zen busca alcançar esclarecimentos por meio de técnicas de meditação (as palavras Ch'an e Zen significam literalmente “meditação”) e uma aproximação espontânea, não-introspectiva para tudo, desde combater até cozinhar. Este ultimo principio é similar à “ação passiva” do Taoísmo, e as duas crenças podem ter influenciado um a outra. Muitas pessoas na Ásia aderem ao Zen e ao Taoísmo ao mesmo tempo, ignorando suas contradições.

Este artigo é uma tradução livre feita por Fernando Jr de um texto presente no fantástico Gurps Martial Arts da Steve Jackson Games.

Monges Budistas

Entrevista Anderson Silva

Entrevista com Anderson Silva

Anderson da Silva, curitibano de 35 anos, é um lutador brasileiro especialista em Muay Thai e atual campeão mundial peso médio (até 84 kg) do Ultimate Fighting Champioship sob o apelido de "O Aranha" (The Spider). Recentemente ele foi entrevistado por Gleidson Venga e Marcelo Alonso em sua casa, para a excelente revista virtual Portal do Vale-Tudo Magazine, disponível gratuitamente no Portal do Vale Tudo. O conteúdo abaixo é apenas um resumo da excelente entrevista que pode ser conferida no site citado anteriormente. A entrevista foi organizada em tópicos que ajudam-nos a conhecer um pouco mais deste grande campeão!

***************************

Quem só conhece Anderson Silva pelas transmissões do UFC ou entrevistas na TV, talvez tenha a falsa idéia de que ele seja um cara prepotente ou falso humilde. Julgamento totalmente refutado por qualquer um que conheça o campeão de perto. Brincalhão, caseiro, palhaço, família e sempre pronto a ajudar os parceiros, são alguns dos adjetivos mais utilizados pelos amigos para definir o lutador.

Nômade

Anderson Silva nasceu em São Paulo, mas mora em Curitiba desde os 4 anos, e agora se mudou pra Los Angeles. Hoje ele vive entre LA, Rio e Curitiba, mas se ele passou 20 dias em Curitiba esse ano foi muito. Sua vida está uma loucura, e está passando mais tempo aonde o trabalho lhe leva…

Agora ele vai começar a fazer um treinamento no centro de treinamento da Nike, pois eles lhe disponibilizaram toda a parte técnica, teórica e prática. O Freddie Roach, treinador do Manny Pacquiao, está treinando o Aranha quando ele está em Los Angeles, sendo muito bem recebido na academia dele.

Video-Game

Ele joga direto, sendo fanzasso de Street Fighter, tanto que tem uma coleção de bonequinhos. Tem vários personagens dos jogos que ele tira alguma coisa, como o Guile, o Sagat, que ele gosta bastante, tem vários golpes ali do Ryu, do Ken, que ele vai tirando do video game e adaptando ao "jogo" dele.

Nocautes

Anderson adora assistir filmes de luta. Houve um nocaute no Cage Rage, que ele executou com o cotovelo de baixo pra cima, que ele viu em um filme do Ong-Bak. Depois entrou na Internet e ficou vendo uns vídeos de Muay Thai tradicional.

Os caras do córner dele ficavam falando "não faz essa porra, cara, porque você vai ser nocauteado", ele acabou fazendo e deu certo!

Entregar o cinturão?

Anderson está preocupado com sua saúde, já que ele está voltando de uma recuperação. Ele não está preocupado com quem vai lutar, uma vez que está em uma posição confortável, com o cinturão dos peso-médio. Ele não tem medo de ganhar ou perder, ms ele não quer entregar o cinturão, se for pra perdê-lo, que seja da mesma forma que ele obteve: em um octógono!

Lutando de Graça

A vida inteira de Anderson foi de desafios. Ele já foi de Curitiba até Mato Grosso com R$50 no bolso para lutar por R$500, sozinho. Foi e lutou. Uma vez ele foi para São Paulo lutar em um torneio de Muay Thai sozinho, com R$100 no bolso e voltou sem nada. Sua vida sempre foi de desafios, e ele sempre enfrentou-os com a maior tranquilidade.

Teve uma época em que ele lutava no extinto Pride com um peso abaixo da categoria, porque não tinha categoria 84Kg, era só até 93Kg. Ele conseguiu uma hérnia de disco lutando com Otsuka, que era muito mais pesado que ele, depois com Carlos Newton e Alex Stiebling, muito mais pesados. Ele nunca teve problemas com desafios.

Preparação

Antes das lutas, Anderson assiste vídeos de seu oponente e vídeos de outros grandes lutadores que possuam golpes úteis para esta luta em questão. Ele treina em cima disso, para subir lá e voltar pra casa inteiro. Pra ele, é como se estivesse indo pra uma guerra.

O samurai, quando vai pra guerra, sai de casa e não sabe se vai voltar, mas ele treina pra voltar e é isso que Anderson faz, procurando treinar o máximo possível, desenvolvendo sua técnica o máximo possível, no limite, pra chegar no octógono e não ser surpreendido.

Anderson Silva Treinando

*******************

Confira a entrevista na íntegra no Portal do Vale Tudo!