Arquivo da tag: hibrido animal

Shoujo Tora

Shoujo Tora


Ninguém sabe muito sobre Yuki Otonashi ou se, de fato, este é seu nome real. Ela é uma híbrida tigresa que foi encontrada vivendo em uma das poucas áreas selvagens do Japão, o Parque Nacional Daisetsuzan. Yuki viveu nas encostas dos três vulcões do Daisetsuzan por mais tempo do que ela possa lembrar. Infelizmente, o período de tempo foi interrompido há poucos anos atrás. Sua memória mais recente consiste em acordar uma manhã para encontrar a si mesma rodeada por macacos brancos selvagens banhando-se em um lago quente. Ela não sabe quem é sua família ou se um dia ela teve uma, embora ela queira muito saber. Ela não sabe nada sobre seu pasado, exceto por um medalhão dourado que ela sempre teve.

O medalhão contém uma foto de uma jovem garota similar em aparência a
Yuki, embora obviamnte sem as feições de tigresa. Há também uma
inscrição onde se lê, "Melhores desejos, Yuki Otonashi." Não está claro
se o nome é da garota na foto ou se o medalhão foi dado de presente. De
qualquer forma, Yuki tomou o nome para si.

Akira Leung ouviu contos sobre a misteriosa Shoujo Tora, ou Garota Tigre, em Tokyo e decidiu investigar. A Garota Tigre tinha se escondido do público durante anos, e era dificil localizá- la. Caçadores já haviam tentado durante anos com pouco sucesso. Alguns que tentaram capturá-la jamais retornaram. Enventualmente Akira foi atrás das lendas com o intuito de tornar seu amigo. Ela estava maravilhada pelas historias da civilização e as maravilhas tecnológicas que ela continha. Ela concordou em ir com ele de volta para Tokyo com uma condição: que ele ajude-a a pesquisar sobre seu passado. Akira concordou, e logo eles estavam dirigindo de volta para Tokyo.

Não demorou muito para que Yuki se interessasse pelo recém formado Chimu Nihon e pedisse para ingressar. Kyoko foi hesitante a principio, sentindo que Yuki podia não estar apta a controlar seus instintos de tigresa em combate, mas concordou em lutar contra ela. Yuki perdeu para a mais experiente Kyoko, mas por muito pouco.

A luta foi intensa e brutal. Ambas garotas estavam surpresas pela ferocidade e habilidade da outra e tornaram-se rapidamente amigas. Akira, assistindo o combate, viu que Yuki havia incorporado muitos movimentos da Capoeira no seu estilo. Quando questionada sobre isso, Yuki respondeu que ela tinha memórias de alguém lhe ensinando estes movimentos, mas isto era tudo.

Yuki em breve tornou-se membro total do time de Akira e decidiu usar o nome que as pessoas haviam lhe dado, Shoujo Tora. Aparentando os 15 anos de idade, ela é a mais jovem membro do Chimu Nihon. Ela vê em Kyoko uma irmã mais velha e tem uma queda por Akira.

Aparência: Shoujo Tora aparenta muito mais idade do que seus 15 anos. Ela mede 1.75cm e pesa 80Kgs. A maioria dos seus genes humanos estão combinados com os de tigre, possuindo uma densa musculatura animal, o que aumenta consideravelmente o seu peso. Aparentemente seus musculos híbridos são densos e mais compactos do que os mesmo musculos humanos. Suas características mais marcantes são suas orelhas de gato e a cauda macia além das listras negras sobre sua pele branca que cobre todo seu corpo. Na arena, ela gosta de vestir somente um biquini que não impede seus movimentos. Aparentemente a roupa é inspirada em um personagem popular no japão daquela época.

Interpretando Shoujo Tora: Você está normalmente muito feliz e aproveitando sua boa vida. Jogos de habilidade a excitam, especialmente aqueles que envolvam habilidades atleticas e combate. As selvas constantemente lhe chamam, e você retorna para elas sempre que tem um tempo livre. Chimu Nihon é um grupo excitante para se estar, e enquanto você realizar coisas novas e interessantes dará seu máximo pela equipe. Eles tabém são como uma família para você, mais do que qualquer outra que se lembre. Você acredita que Akira possa solucionar os misterios do seu pasado, mas por ora o Chimu Nihon é tudo que tem. Talvez isto possa ser o bastante.

Lema: A vida era fácil nas florestas, mas não há caminho mais excitante!


Chimu Nihon

Híbridos Animais

Jaq

Jaq


Jaq era um garoto comum de Miami, um pouco mais violento e avantajado do que o normal para sua idade, mas comum. Um dia, seus pais decidiram levá-lo em uma viagem pelo Parque Nacional Everglades. Um desastre aconteceu quando eles bateram em um feroz crocodilo-touro durante um passeio de carro pelo parque. O crocodilo atacou, demolindo o carro da família e mandando-os em uma fuga frenética para dentro da floresta do parque.

O crocodilo perseguiu a família pelo Everglades – impossibilitando o seu retorno à estrada para pedir ajuda.

Uma semana infernal se seguiu, o sanguinário crocodilo perdeu a família em um pântano, o que fez com que conseguissem voltar à civilização – todos exceto Jaq, que se separou dos pais durante o ataque inicial. Uma longa busca falhou em localizar o garoto, que foi dado como morto. Horrorizados e chocados pelo final trágico do passeio, os pais de Jaq voltaram a Miami.

Mas Jaq não havia morrido – ele havia sobrevivido graças sua força de vontade e afinidade natural com os animais. Ele tinha um instinto fora do comum e conseguiu se comunicar com os animais selvagens que o consideravam um amigo. Todos exceto o crocodilo-touro, que espreitou durante anos, aguardando uma oportunidade de atacá-lo. Jaq cresceu sozinho nos pântanos, os anos foram passando e sua mente foi se tornando mais bestial, lentamente se esquecendo de sua origem.

As mudanças nas características de Jaq foram surgindo conforme seu corpo amadurecia. Alguma coisa reagiu com a química de seu corpo no ambiente do Everglades. Talvez o trauma da perseguição quando era criança “ativou” um espírito de caçador, de fera, dentro dele; forçando seu corpo a se adaptar à sua nova forma de vida. Aos poucos ele foi se tornando mais parecido com um crocodilo em aparência e modos. Sua nova forma ajustou-se ao seu novo mundo e aos desafios que lhe foram impostos.

Ele cresceu como uma espécie de Rei do Everglades, sendo respeitado por todos animais como o mais forte deles, exceto um. O crocodilo-touro.

Era só uma questão de tempo para acontecer a batalha final entre Jaq e seu nêmesis. Depois de anos perseguindo o jovem, o monstro finalmente encurralou-o. Sua bocarra escancarou-se para engoli-lo enquanto Jaq saltava sobre seu pescoço para estrangulá-lo. Jaq teve sua vingança, mas a um horrível preço. O crocodilo-touro atacou selvagemente o jovem, dilacerando a carne de seu corpo. Era só uma questão de tempo até que Jaq se juntasse ao seu oponente na lama.

Ele provavelmente teria morrido, não fosse a intervenção de uma jovem acadêmica da Escola Técnica da Georgia. Amy Carter estava conduzindo um estudante pelo Everglades quando ela escutou a luta. Ela seguiu os sons do combate até, que finalmente cessaram, foi quando se apressou e encontrou um Jaq extremamente ferido e morrendo.

Ela estancou seus ferimentos e o levou para a cidade, onde cuidou dele durante muitas semanas até que finalmente ele se recuperou. Quando retornou sua consciência, Jaq estava surpreso em descobrir que não somente estava vivo como trancado em um pequeno quarto.

Amy, sem saber que ele havia acordado, estava buscando água para limpar seus ferimentos. Ela tabém não sabia como ele reagiria ao se ver em um espaço fechado. Depois de anos vivendo nos pântanos, o confinamento repentino em uma estação de campo parecia uma jaula para o garoto. Tomado pelo medo, o lado animal de Jaq o controlou.

Ele destruiu a parede da estação e correu de encontro a uma espantada Amy. Ele atacou-a em um pânico selvagem. Para sua sorte, Amy sabia como cuidar de si mesma. Ela deu um passo para o lado e usou o impulso do próprio Jaq para prender seus braços atrás de suas costas, jogando-o de cara no chão. Quando a lucidez voltou, o garoto encontrou a si mesmo acorrentado. Ele estava atordoado; como ele poderia ter derrotado um poderoso crocodilo-touro e perdido para uma jovem garota. Amy sussurrava em seu ouvido, convencendo-o que ela não queria machucá-lo. Jaq prometeu se controlar.

Jaq acabou gostando de Amy. Ele ajudou-a com sua pesquisa, trazendo comida para os dois. Ela, em troca, lhe falava sobre o mundo fora dos pântanos e lhe ensinou alguns movimentos da Luta-Livre Nativa Americana. Logo ela terminou sua tese e preparava-se para deixar o pântano – e Jaq. Antes de ir, entretanto, ela encontrou o único indivíduo que acreditava que poderia ajudar Jaq a se readaptar ao mundo real – Blanka. Ela conseguiu que os dois se encontrassem, e no mesmo instante os dois se puseram em combate, tendo Blanka que dar uma lição no impulsivo Jaq e lhe mostrar que ele não era um Guerreiro Mundial– ainda.

Blanka levou Jaq ao seu primeiro torneio Street Fighter. Vitórias se seguiram durante os meses seguintes, até que Jaq obteve o seu Posto atual. Ele continua falando com Amy e provavelmente a ama, mas o Street Fighting tornou-se sua vida e provavelmente ainda será durante um longo tempo.

Aparência: Jaq obviamente não é um humano normal. Ele possui uma pele rugosa verde, costas avantajadas que aparentam a de um crocodilo sem cauda e uma espécie de focinho, ao invés de nariz. Suas roupas consistem em jeans rasgados e vez ou outra um colete de couro surrado, feito sob medida. Jaq também usa um colar rústico feito com cipós e um enorme canino, seu maior troféu, arrancado da boca do crocodilo touro.

Interpretando Jaq: Você tem uma alma infantil e preza muito suas poucas amizades. Infelizmente, somente os que conseguem lhe enfrentar em uma batalha podem ser considerados amigos. Para os outros, especialmente os que você considera fracos, trata com desprezo e ocasionalmente com selvageria. Alguns poucos não necessitam enfrentá-lo em combate para se tornarem seus amigos, mas tem de demonstrar coragem e honra.

Lema: Eu sou o quê? Eu não sei o que é isso, cara! – mas com certeza não sou como você!

Híbridos Animais

Híbrido Animal

Híbridos Animais

Ninguém sabe realmente o que vive nas áreas mais inóspitas do planeta. Ocasionalmente estranhas estórias emergem das civilizações – contos sobre criaturas sobrenaturais à espreita em selvas indomáveis. Neste milênio, essas histórias se tornaram mitos e um pouco mais. Recentemente, entretanto, aluns desses meio-homens/ meio-animais tem emergido de seus lares para entrarem no mundo civilizado. Raramente este tipo de imigração é bem sucedido, para a maioria dos Híbridos Animais é muito difícil controlar seu lado animal e acabam não conseguindo se adaptar a sociedade humana. Consequentemente, eles evitam grandes cidades, vivendo nas periferias das selvas se isolando.

Poucos estudantes destes assim chamados Híbridos Animais, chegaram a conclusão de que é difícil e perigoso mantêlos presos. Entretanto, algumas teorias puderam ser levantadas sobre as origens destas aberrações.

A primeira teoria cita (de forma incompleta) evidências de que os Híbridos Animais sofrem uma transformação mutagênica à nivel celular. Presume-se que seja causada por um vírus desconhecido que transforma o DNA de sua vítima, deixando- a extremamente suscetível à manipulação celular. Então, por exposição de informação celular com outros organismos porum período longo de tempo (contato direto ou divisão de comida), o DNA da vítima é reescrito para corresponder ao segundo organismo celular utilizado como modelo. Presume-se também que esse vírus sobrevive apenas em áreas isoladas do globo, apenas aparecendo nesses Híbridos Animais. A origem desse vírus é desconhecida, assim como seus métodos de transmissão.

Ragin Cajun

Muitas pessoas não envolvidas na comunidade científica aderem a uma teoria diferente: o Híbrido Animal foi possuído pelo espírito do animal e imbuído com aspectos deste animal para servir a um grande bem. Muitas pessoas, testemunhando a selvageria dos Híbridos, acreditam que essa missão é algum tipo de vingança. outros supõem que é a ordem natural reafirmando seu poder sobre o mundo e essas criaturas são embaixadores da natureza. Outros ainda mantém essa opinião que é a natureza se rebelando contra a poluição em grande escala e a destruição ambiental, graças à sociedade moderna. Qualquer coisa sobre a condição dos Híbridos é mero boato, o fato de sua existência não é muito questionado. A reação da sociedade humana a esses recém-chegados é amplamente variada, mas geralmente é negativa. A combinação da bestialidade dos Híbridos Animais e a intolerância da sociedade humana fazem com que o público difame os Híbridos Animais como monstros selvagens.

Híbridos Animais são, de fato, mais propensos a colapsos de fúria violenta se provocados. As regras da sociedade suprimem o animal interior, e a complexidade da vida moderna muitas vezes confunde esses quase selvagens. Frustração e incompreensão aumentam o stress nessas criaturas, e frequentemente o resultado é demasiado violento. Policiais ou soldados são frequentemente chamados para controlar esses monstros insanos.

Um ou outro dos muitos Híbridos Animais acabam mortos durante sua revolta exaltada ou levados de volta para a floresta pelos rigores da “sociedade civilizada“. Apenas poucos, entretanto, acham o caminho para o controle de sua cólera e retornam ao mundo humano.

Muitos Híbridos Animais são atraídos pela inerente violência do circuito Street Fighter. Onde eles encontram um lugar onde podem se livrar de sua fúria e frustração. Onde eles encontram alguma coisa que eles compreendem: o forte triunfa sobre o fraco. Apenas na arena o Híbrido tem a chance de quebrar os fracos humanos à sua volta. Infelizmente um Híbrido pode perder o controle do seu aspecto animal durante o combate, especialmente se ele estiver perdendo. Nestes casos, o oinstinto de sobrevivência do lutador reage de forma muito forte. Uma simples troca de socos pode tornar-se uma luta de vida ou morte. Não é muito difícil de se ver um lutador Híbrido Animal que desceu da arena sujo com o sangue do oponente enquanto seu lado animal ainda estava exaltado.

Felícia

Enfim um Híbrido Animal aprende a controlar a fera dentro de si. Caso não consiga, ele será habitualmente conduzido para fora do circuito e da sociedade, por outros Street Fighters.

O mais bem sucedidos lutadores Híbridos são normalmente disciplinados de forma rígida por seus mestres, que os punem até pela falta de etiqueta. A intensa disciplina das artes marciais permite que o lado animal seja controlado e enjaulado contra o medo de perder o controle durante uma disputa. Híbridos, masi do que os outros lutadores, requerem o firmamento da disciplina das artes marciais para controlar suas cóleras.

O Antecedente Híbrido Animal

O Antecedente Híbrido Animal determina o quão animalesco seu personagem é. Quanto maior é o Antecedente, mais bestial seu personagem se torna.

•    Você sempre foi um pouquinho diferente das outras crianças. Elas sempre lhe pareceram meigas e frágeis demais.
••    Você tem uma harmonia com a natureza que muitas pessoas não conseguem entender – apreciam de longe.
•••    Você gasta longos períodos de tempo em matas – talvez somente lá você se sinta vivo. Seu corpo tem aprendido a se adaptar e está se modificando por isso.
••••    Você se esconde da civilização por eles o incomodam. As selvas são o seu lar. Pessoas são tão frágeis e complicadas demais para você tolerar por longos períodos de tempo. Você é desajeitado, assim como uma fera.
•••••    Você evita humanos de qualquer forma. Seu novo corpo é muito mais eficiente e inacreditavelmente mais poderoso do que o dos seres humanos. Você entende a maioria das coisas em um nível básico ou primitivo. Suas ações são instintivas – assim como as de um predador.

Exemplos de Híbridos Animais

A seguir uma lista de Híbridos Animais para servirem de exemplo para os Narradores e jogadores, ou até mesmo serem utilizados em suas crônicas:

Mais Informações

Se você deseja criar um personagem meio-homem, meio animal, você deverá ler também os seguintes posts:

Blanka: Híbrido Animal