Variações de RPG: Lives e Eletrônicos

dexter

Este artigo é uma continuação do post O que é RPG?

Se você pegar o equilíbrio entre interpretação e as regras do RPG e aumentar o peso em um dos lados,  podem surgir variações de RPG. Por exemplo, se você reduz as regras e aumenta a interpretação, teremos o que as pessoas conhecem por Live Actions (ou simplesmente Lives), que é aquele RPG que parece com uma festa a fantasias. Mas se você aumenta as regras e reduz a interpretação, temos os RPGs eletrônicos.

Lives não usam dados e as planilhas de personagem, quando existentes, costumam ser bem mais simples, apenas com características essenciais, que não possam ser simplesmente substituídas por interpretação. Também são mais comuns os lives de temas modernos, como punk-gótico, uma vez que lives de fantasia medieval exigem muito mais preparo para fantasias, local onde o live irá ocorrer, etc. Para os testes, geralmente utiliza-se recursos rápidos e simples como “Papel, Pedra e Tesoura” ou mesmo “Par ou Ímpar”, apenas para manter certa aleatoriedade nos resultados, afinal, ainda é um jogo e não um teatro.

Alguns jogadores de RPG mais clássicos não gostam de dizer que RPGs eletrônicos são RPGs, porque não há interpretação nenhuma. Porém a grande massa e o mercado consideram-os um RPG pois existe um sistema, existe um ambiente, por trás do jogo existe a jogada de “dados” para decidir algumas coisas e a interpretação…bom…a interpretação fica por conta dos personagens do jogo.

live-action

Existem diversos títulos de RPGs eletrônicos disponíveis para todos os consoles dos últimos 20 anos (até mais), que proporcionam diversão e um gostinho do que é o “real” RPG de mesa. São muito úteis quando se está sozinho em casa ou quando não se tem um grupo de amigos para jogar o RPG real. Entre estes inúmeros títulos, alguns se destacaram dos demais por seu enredo excelente, jogabilidade e gráficos. Alguns deles: toda a série Final Fantasy (existem mais de 10 atualmente), Chrono Cross, Legend of Legaia, toda a série Breath of Fire (são uns 5), Chrono Trigger, Xenogears, etc.

Alguns RPGs eletrônicos pendem para o lado mais tradicional do RPG, com combates baseados em turnos, evolução de nível e grupos de aventureiros. Outros, como as séries Alundra e Zelda, pendem para o lado RPG/Aventura, onde muitos elementos dos RPGs tradicionais estão presentes, mas não temos turnos claramente definidos ou sequer times de personagens. Há ainda o extremo oposto, os chamados TRPGs (Tactical RPGs), no melhor estilo das séries Final Fantasy Tactics, Tactics Ogre e Front Mission, apenas para citar alguns excelentes exemlos. Em RPGs táticos o desenrolar da história é realizado através de cutscenes de animação ou simplesmente diálogos estáticos entre personagens, parecido com histórias em quadrinhos. Já quando o combate começa, a CPU e jogador se enfrentam cada um com seu time, formado e organizado exclusivamente para aquele combate, que geralmente dura vários minutos, não sendo difícil atingir meia-hora de jogo em apenas um combate, lembrando bastante jogos de xadrez, uma vez que os personagens inclusive podem se movimentar pelo mapa, organizado em quadrados e com todo de obstáculos, terrenos e estratégias possíveis.

E por fim, nos últimos 15 anos o estilo de RPG que mais cresceu no mundo foi o MMORPG, ou Massive Multiplayer Online RPG, onde milhares de jogadores se conectam a um ou mais servidores de um mesmo jogo e jogam juntos, seja em times ou seja sozinhos, concluindo suas quests. Títulos como World of Warcraft, Ragnarok, Star Wars Old Republic e D&D Online atraíram milhões de fãs para esse gênero em uma geração que socializa cada vez mais online e menos offline. Nestes jogos cada jogador controla um personagem com uma classe ou arquétipo, típico de um RPG tradicional, e evolui o mesmo matando monstros, coletando itens e participando de alguns eventos especiais do servidor onde estão, no melhor estilo hack-&-slash dos warga